SLIDE POSTAGENS

QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

HÁ QUASE OITO ANOS QUE A GENTE SÓ HOUVE MEIAS-VERDADES, QUANDO O GESTOR PÚBLICO DE BUÍQUE, FALA NA RÁDIO LOCAL


        Bem gente, não precisa ser nenhum adivinhão para saber quando alguém diz a verdade não passa de um tremendo mentiroso. É muito simples quando o ser humano mente, não passa de um farsante. Basta dizer o que não é possível de se fazer num curto espaço de tempo, o que pode ou não fazer noutro muito menor. Ora, se o sujeito passa quase oito anos num governo, transforma nossa municipalidade nesse caos em que se encontra, e ainda tem a sem cerimônia, de ir à rádio local para falar uma série de lorotas que só os tolos e desinformados acreditam, é porque nada é levado à sério tanto por quem diz, quando por àqueles que ainda acreditam e dão atenção. Falar a verdade e mostrar o que faz ou deixou de fazer, não é coisa para todo administrador público ou por qualquer aprendiz que vive de brincar de gestor com o erário.
       Muitos ouviram a fala do gestor, inclusive este escriba e, acreditem, venho acompanhando tudo passo à passo, desde antes mesmo dele ter assumido o cargo em janeiro de 2009 e sei realmente que de dez palavras que ele vocifera, onze não são verdadeiras. Jogo de linguagem, mas é isso mesmo! – Ora, num município grande como o nosso, com uma malha viária vicinal enorme nos 1.372 km2 de área, onde existem distâncias que chegam até 80 km dentro do município, a pessoa abrir a boca para dizer que vai fazer as devidas recuperações das estradas em apenas menos de 40 dias, ou seja, até o final de junho, não dá para acreditar que isso possa ser possível; dizer que vai calçar as ruas do Bairro São José, Frei Damião e outras vias públicas do município, até o final de junho também, é querer zombar e brincar com a inteligência do povo buiquense; também dizer, que uma série de esqueletos de “obretas”, serão entregues também em igual período, aí já não é passar dos limites com a nossa inteligência, nos chamar de jumentos, bestas ou cavalos, como foi dito ontem, e também, zombar do povo buiquense, porque se o sujeito que iniciou muitas dessas gambiarras ainda no governo de 2012, em plena campanha por sua reeleição, como é que vai finalizar tudo isso em apenas 40 dias, hem gente? – Será que o povo buiquense é besta, burro ou ele quer fazer o povo de asno para tentar mais uma vez engabelar o povo com a candidatura que ele jamais queria apoiar! – Só veio a apoiá-la mesmo na marra, isso porque, não queria ser apeado do poder, mas ainda encenou colocar um laranja em seu lugar, só que, como a coisa não pegou, não funcionou de forma alguma, o jeito mesmo foi engolir a candidatura de uma pessoa que ele jamais teve a intenção de apoiá-la, apesar de ter sido o divisor de águas de sua vitória na última eleição, reconheça-se. Está mais do que na hora de deixar de fazer o povo de Buíque de jumento, que apesar de tantos jumentos, cavalos e outros animais soltos nas ruas, ninguém é animal irracional para saber discernir o certo do errado. Tudo que ele prometeu, é promessa de faroleiro, do tipo mágico Mr. M, esta é a verdade. Talvez até ele venha a se travestir de Mr. “M” por algum tempo, mas não o será, o tempo todo.
O nosso Buíque, nesses quase oito anos que se passaram, só fez mesmo foi retroceder, andar para trás feito caranguejo! -  Agora falar que votar em quem já foi é retroceder, só mesmo na cabeça dele e de uma minoria, porque quem já tem experiência de sobra é quem mais está preparado para retomar o crescimento de nossa terra, cuidar de nossa gente e colocar nossa economia nas áreas do turismo, da agricultura e pecuária nos eixos, é justamente o que ele chamou desrespeitosamente de “o velho”. O velho pelo menos nunca chegou a deixar o nosso município nesse verdadeiro estado de terra arrasada como se encontra nesses quase oito anos de desgoverno. O governante de qualquer ente público, o ato de bem administrar, não se mede pela idade, mas sim, pela capacidade que demonstra ter na questão de domínio de uma administração pública, seja em qual setor em questão. O que ele alcunhou de “velho”, pelo menos já é testado e aprovado e nosso município, não ficou jogado às traças, nesse estado de abandono, de ausência em que se encontra, tampouco nesse descalabro de situação de terra arrasada, mas tinha pelo menos presença, o povo tinha assistência, várias programas sociais foram implementados e a administração pública nunca deixou de funcionar um dia sequer e obras estruturadoras da economia foram realizadas, sendo que muitas destas não tiveram continuidade pelo atual “gestor”. Administrar não é apenas fazer de conta que se brinca de administrar, principalmente quando se trata da coisa pública.
Outro ato falho do atual gestor, foi a questão levantada, do dinheiro do FUNDEB, que não só o município de Buíque tem para receber, mas sim, existem vários outros na mesma situação e, não foi graças advogado A, B ou C, mas sim, uma ação de iniciativa da AMUPE, em nome de todos os municípios que deixaram de receber algum saldo desse repasse obrigatório. Agora a questão é se ter o devido cuidado, de como vai se colocar esse dinheiro nos cofres públicos, já que estamos praticamente numa época de eleição e mesmo sabendo que parte desse dinheiro será rateado com os professores de educação básica, o perigo mora justamente aí, porque já estão havendo artimanhas políticas para se aprovar um projeto de lei, no sentido de que, por já contar como certo essa verba, vir esse dinheiro a ser adiantado por conta no Orçamento do Município, e aí quem vai ter prejuízos na sua educação é o nosso município, razão pela qual, a população deve estar vigilante quando à liberação desses recursos por alguma manobra do legislativo, porque senão esse dinheiro vai terminar no ralo de gastos de uma campanha política e aí, como diz o dito popular: “nem mé, nem cabaça”. Devemos ficar vigilantes com alguns cavalos soltos.
Na questão de verbas públicas, é certo que houve uma queda, uma retração nas transferências, agora só culpar o Governo Federal por todas as mazelas dos municípios, principalmente de Buíque, por falta de médicos, fechamentos do hospital local, falta de ônibus para transporte de estudantes ou de merenda escolar, é apenas uma desculpa esfarrapada de quem não sabe lidar com a coisa pública, porque de muitos municípios nossos circunvizinhos, tais mazelas não existem e pelo menos um médico diário para atendimento das pessoas, existe, então vamos acabar com essa desculpa esfarrapada de responsabilizar essa diminuição de repasses de recursos federais, que na verdade, é só mais uma desculpa para deixar nossa população desassistida e abandonada, esta é realidade. Se quiserem um exemplo, deem um pulinho em Monteiro e Sumé, na Paraíba até mesmo em Venturosa ou Tupanatinga, nossos vizinhos. A questão de Buíque, é só falta de seriedade e da boa aplicabilidade dos recursos públicos, esta é a verdade. Administrativamente, o que não se falou, foi como se adequar à realidade financeira, em apenas 40 dias, eis a questão!

Nenhum comentário: