SLIDE POSTAGENS

QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

GENTE, VAMOS LEVANTAR NOSSA CULTURA, MOSTRAR NOSSO POTENCIAL, NOSSA INTELIGÊNCIA!


   Confesso com toda sinceridade do mundo, que de há muito tempo venho me batendo para ver a nossa cultura crescer, aparecer e ser valorizada. Minha maior frustração todo esse peleja, é chegar a triste conclusão, do que praticamente nada do que sempre busquei atingir, cheguei a lugar algum ou, se alcancei alguma coisa, não deu para perceber, tamanho o descaso com que a gente é tratado quando se dedica a uma causa em que pouco interesse tem despertado em nossa população. Afinal de contas, que Buíque é esse que não liga para praticamente porra nenhuma, caceta?
    É isso mesmo, só nos resta ficar pê da vida com uma coisa dessas, em que a gente busca alcançar algo, não propriamente para nós mesmos, mas sim, para beneficiar toda uma parcela da população, que está aí disponível, sem fazer nada, tem talento, é inteligente, no entretanto, por mais que se queira despertar ninguém está nem aí, porra! - É da gente se arretar mesmo, caceta! - Não dá para assistir a tudo isso de forma passível, e ver resultado quase nenhum por parte de nossa população. Isso é decepcionante e frustrante, é essa a conclusão que chego. Ainda bem que se pode contar com um grupo de pessoas que a gente conta no dedo, entretanto, mesmo assim, existem muitos que misturam as coisas, principalmente na política e aí é que a coisa que a gente está desenvolvendo, desanda mesmo!
     Esse é nosso Buíque letárgico, insosso, parado, que pelo visto não quer porra nenhuma com o seu futuro. Sua população, por mais que cresça, da mesma forma, as dificuldades de sobrevivência, ainda assim, não vejo quase ninguém se mexendo para melhorar as condições de vida e o avanço de libertação desse povo, que está completamente alienado. Muitos que tem uma ajuda do bolsa-família, do seguro-safra e outras ajudas sociais governamentais, pelo visto, só esperam que isso caia do céu e mais nada, poxa! - Quem já viu gente alheia a tudo assim, hein!
    Digo sinceramente, decepciono-me com tudo isso que tenho presenciado ao longo de minha vida em que busquei mais me dedicar a Buíque, do que propriamente a mim mesmo, apesar de não me arrepender de tudo que busquei fazer, entretanto, se o tempo volvesse, buscaria fazer tudo diferente, porque acredito, que talvez não tenha utilizado os meios e as ferramentas corretas, mesmo assim, ainda vou continuar na minha labutar para ver se pelo menos, posso deixar um referencial para que venha a ser lembrado e adormecido num futuro distante, quem sabe, porque a minha parte, tenho plena certeza, de que fiz. Se não melhor, pelo menos foi o mínimo que pude fazer.   

quarta-feira, 26 de abril de 2017

SOBRE O SUICÍDIO DO GAROTO DE APENAS TREZE ANOS EM ARCOVERDE


    A questão do suicídio do menor de treze anos de idade, em Arcoverde, leva o ser humano a muito pensar no que é capaz a mente, certamente perturbada, fragilizada por alguma razão, de uma criança que sequer teve o direito de viver. O que há a se indagar é o que realmente povoava a mentalidade desse menor, que chegou a cometer uma atitude dessa natureza, a ponto de tirar a sua própria vida, que sequer chegou a vivê-la. Bem, várias hipóteses se pode levantar, mas acredito, que nenhuma delas chegará a conclusão alguma. Até mesmo ele, o menor, sequer tinha ciência própria do que chegara a cometer para tamanha façanha extrema de uma vida que não viveu, porque com apenas treze anos de idade, a gente vive num mundo de fantasias, fragilizado e que em muitos casos, requer necessidade especial de uma compreensão que os adultos estão distantes de entender e jamais chegarão a uma razão justificável para o ato extremado e impensado a que o jovem garoto chegou a tomar.
     Vivemos em um mundo, que a realidade humana é coisa muito difícil e complicada de se entender. Ora, a iniciativa de se cometer suicídio não é um fato fenomênico de se tirar a vida apenas de um jovenzinho fragilizado, de mente confusa, mas também de muitos adultos, que em muitos casos, extremamente perdidos no seu próprio mundo, com os seus enes problemas sem solução ou que, poder-se-ia até ser encontrada uma resolução para os tantos problemas que se tem que enfrentar na vida, que não se chegaria a uma medida extremada como vir a se tirar a própria vida, mas em muitos casos, está faltando alguma coisa para se chegar a tanto, geralmente um grande vazio a nos dominar o corpo e a alma. Se a gente bem pensasse jamais chegaria a esse ponto, mas a consequência pode ser um branco mental em um determinado momento, que não tem psicólogo, psiquiatra, psicoterapeuta que possa vir a explicar os mistérios insondáveis da vida humana, quando desembocam na escuridão de um buraco escuro sem fundo e sem volta.
      Especular que foi por conta de um jogo mortal da baleia azul da internet, há de se acreditar que não é essa a possibilidade, mas alguma coisa importantíssima para esse garoto estava a lhe faltar. Ninguém está aqui para julgar ou apontar o dedo para quem quer que seja, muito menos culpar ninguém, mas quando se chega a um ato extremo dessa natureza, com certeza é porque alguma coisa não estava se encaixando bem no eu ontológico dessa criança, vindo, destarte, a tirar de forma misteriosa a sua própria vida, o que é lamentável, principalmente num mundo cão em que estamos vivendo nos dias atuais.

terça-feira, 25 de abril de 2017

PARECE QUE TUDO FOI ONTEM, MAS TUDO SE RESUME AO HOJE!


       Interessante como é o transcorrer da vida. Ainda ontem a gente era uma criancinha que sequer sabia da nossa existência e hoje, sem perceber que o tempo passou, já se chegou numa idade um tanto avançada, mas àquela criança de dentro de cada um de nós, nunca deixou de existir. Claro que o tempo muda. O corpo vai se desfigurando. Pelancas vão aparecendo, passa-se a esquecer das coisas e se fica decrépito, repugnável e execrável pelos mais jovens, que não quer saber de gente mais velha por perto. É assim mesmo os descaminhos da vida. 
      Não faz muito tempo, vivia no Sítio Cigano, como um menor esquecido do mundo. Sequer parecia que existia outro mundo a não ser o Sítio Cigano. Era o meu mundo restrito àquele tempo. Depois já me sentindo de gente, mesmo que invisível a muitos, passara a aprender as primeiras letras na Escola Duque de Caxias (apagada do mapa de Buíque, pelo ex-prefeito Anibal Cursino, tirando parte de nossa História); depois, pelas intempéries do tempo e por fatores circunstanciais e alheios à nossa vontade, fui com a família, tangidos para o Estado de São Paulo, como gado no corredor da morte. Foram duros tempos os que passei junto com meus familiares, naquele inferno de concreto armado, mas suportei, até que retornei para Buíque no início da década de 70.
      Já em minha terra, com meus familiares, passei a me interessar pela vida com mais luta e garra, estudei, cheguei a me formar e durante todo esse lapso temporal, foi que vivi as tristezas, as mágoas e em menor grau, as alegrias de minha vida. Vivi tempos imemoriais que ninguém viveu ou jamais viverá, porque isso não é privilégio dos jovens de hoje, mas pelo menos me regozijo de ter vivido bons momentos, apesar de poucos, mas os vivi. Foi nessa época que vivi, lá por volta de 1977, que um dos bons tempos foi o de criação do Som Bléss Set, onde a partir de então, com uma banda buiquense, tive nela, apesar de ser de Buíque, um referencial musical bairrista, porque de certa forma, tocava o repertório musical que toda juventude da época adorava e venerava, por isso mesmo, ainda que não fosse um primor musicalmente falando, a se igualar aos Beatles e Roling Stones, ainda assim foi o meu referencial musical que se fincou no meu peito e ainda trás grandes e boas lembranças de inesquecíveis bailes que vivi e que hoje, já não se fazem mais como naqueles bons e singelos tempos da vida da gente.
        Reviver como Emanuel Modesto vai fazer, os 40 anos do Som Bléss Set, embora a banda não mais exista, vai ser realmente momentos memoráveis, onde se vai com toda certeza, se voltar ao túnel do tempo, para que cada um viva dentro de si, tempos puros, belos e simples, que a atual juventude não viveu e que não viverá jamais. Parabéns "Mané da Jéga", por essa brilhante ideia e vamos abraçar os 40 anos de um tempo que ninguém viverá novamente, a não ser no dia em que estiver montada no palco, essa banda que marcou uma época de ouro na música de nosso tempo.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

O PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO OBRIGATÓRIO, TEM SIDO UM CALVÁRIO PARA OS PROFISSIONAIS DA ADVOCACIA E PODE SER OBSTRUÇÃO DA JUSTIÇA PARA QUEM QUER TER ACESSO E NÃO CONSEGUE DE OUTRA FORMA!




        Não é mole não, gente! – Ontem passei o dia de domingo, isso porque teria que completar uns serviços jurídicos de nossa municipalidade, porque na minha função, não só se trabalha presencialmente não senhor, mas também, adstempo, a depender do que se tem para resolver.
        O dia de ontem para mim, foi mais um daqueles calvários que de vez em quando tenho enfrentado junto com o meu computador. Quando não é a internet problemática da OI, com a sua assistência virtual, eletrônica e, quando é personalizada, é através de um servidor terceirizado da empresa, que se inicia por um, passou para o segundo, terceiro e assim por diante. Acaso se tenha sorte, a gente é tem a satisfação do serviço técnico virtualmente, caso contrário, tem que ir às mãos de um particular, pagar pelo que já pagamos, para ter o nosso serviço regularizado. É assim mesmo como somos tratados, nós consumidores e usuários da rede banda larga da internet da OI. O serviço deixa muito a desejar. Na época que as telecomunicações eram estatais, a gente tinha o atendimento presencial, hoje não mais existe isso, por questões de logística empresarial de sempre querer auferir mais lucros à custo de um serviço ineficiente que nos é prestado.
        Como se não bastasse, criaram, inventaram o tal do processo eletrônico, claro, virtual, ligado à Justiça e nós, profissionais do Direito, militantes da advocacia, é quem estamos pagando o pato para sermos obrigados a aderir ao sistema desse tal de processo eletrônico. Até aí tudo bem! – A deixa é justamente o princípio da economicidade, porque vai se deixar de gastar material de escritório, não vai acumular montanhas de processos e tudo vai ficar arquivado virtualmente numa nuvem internetária que vão caber infindáveis gigabytes de atos processuais, até aí é perfeitamente razoável, até porque, teoricamente seria uma forma de tornar o lento processo brasileiro, mais célere. Acontece, que não é bem assim que vem acontecendo. Já existem milhares de processos virtuais empilhados nuvem sobre nuvem, nos arquivos virtuais e de demoradas soluções, a exemplo dos juizados virtuais especiais. Então será que a mudança para esse mundo do avanço tecnológico realmente vai resolver a questão de nosso paquidérmico judiciário? – Acredito que não!
        Pior é nos pegar completamente despreparados para manusear essa “boixiga lixa” desse tal de processo eletrônico. Em cima de um comentário por mim levantado no facebook, um dos opinantes, disse que o “processo eletrônico é obstrução da justiça”. Estou quase concordando com ele, porque para que a gente, na condição de operador do direito venha a ter acesso, tem que configurar o seu computador de conformidade com a complexidade de exigências do acesso digital ao processo eletrônico. Primeiro tem que ser um navegador específico, especialmente, o Mozilla Firefox, que ninguém sabe definir o modelo adequado; depois vem o Java, que da mesma forma, não se tem o que mais venha a se ajustar para rodar o referido processo; depois vem a chave criptografada que você obrigatoriamente tem que adquirir, para poder ter acesso e assinar digitalmente os seus processos e requerimentos, caso contrário, jamais terá acesso ao processo eletrônico. Também na Justiça do Trabalho, o “jus postulandi”, se findou de vez, porque se a gente está com essa dificuldade em acessar o processo eletrônico, como é que um simples trabalhador poderá postular em seu próprio nome através dele mesmo?
        Para facilitar, foi criado um navegador pelo CNJ, mas também não funciona de forma alguma, se não estiver com todos os ingredientes anteriormente mencionados, dentro dos padrões exigíveis, então camaradas que criaram essa intrincada engenharia computacional, vocês não foram práticos em absolutamente nada, porque nem mesmo os serventuários da Justiça, estão encontrando facilidade para manusear o mesmo processo que vocês criaram. Outra falha inaceitável, é por parte da OAB, para nós advogados, que sequer cursos de aprendizado relâmpagos para o manuseio desse processo eletrônico, eles patrocinaram, pelo menos para nós que estamos em dia com a anuidade da OAB e também, para os que não estão, porque advocacia nos dias atuais, para o militante, se tornou uma árdua estrada para o ganho da vida com dignidade, em face dos inúmeros profissionais que são colocados diuturnamente no mercado de trabalho e pela falta de ética profissional, em face de toda essa problemática. Então gente, que apareça alguma solução para que a gente tenha mais facilidade de acesso a “essa gota serena” de processo eletrônico, porque do jeito que está, é como o amigo de face disse: “processo eletrônico é obstrução da Justiça”!, com o que sou obrigado a concordar com ele.

sábado, 22 de abril de 2017

A MERCANCIA MAL GERIDA, AFUGENTA A FREGUESIA



       Quando criança, ainda com tenra idade, cheguei a conhecer o “velho” Severino Padilha, aqui em nossa cidade de Buíque. Pois bem, àquela época, lá por volta da década de 60, era justamente um período de modos de vida, carrancistas, de ignorâncias e da predominância de uma mentalidade coronelista, que mandava e desmandava em cidades ou municípios pequenos, a exemplo de nossa terra e por isso mesmo, acreditam que as pessoas até nas suas escolhas, comprando com o seu próprio dinheiro, tinham que comprar a eles mesmos, por se considerarem monopolistas de um mercado chinfrim que existia naqueles idos.
       Severino Padilha, tinha uma Padaria que se extendia da esquina da atual Farmácia do Trabalhador, chegando a dividir com o antigo fórum de Buíque, local onde funciona a Câmara de Vereadores no momento. Era na esquina a Padaria do “velho rabugento”, Severino Padilha, que era casado com uma irmã de minha avó paterna, mãe de meu pai e casada com meu avô, Manoel Modesto, Aurora Laerte Cavalcanti. Seu Severino nunca foi uma pessoa delicada, mas no geral, era o padrão de comerciante da época dele. O interessante nessa história da vida real, é o fato de que, Severino Padilha, se um freguês comprasse manteiga (naquela época não tinha margarina), noutra bodega (mercadinhos de então), e fosse comprar o pão na padaria dele, ele mandava o freguês voltar e comprar o pão no mesmo lugar onde comprou a manteiga ou a banha. Era assim mesmo o tratamento dispensado aos seus fregueses, por Severino Padilha. Pior é que fazendo parelha com a sua padaria, a Escola Duque de Caxias, onde estudei as primeiras letras, na Praça Vigário João Ignácio, nome dado em homenagem ao meu tio-avô, quando os meninos ficavam fazendo alguma traquinagem com ele, aí sim, ele ficava encolerizado, enraivecido e endiabrado, partia para a briga com a molecada e dizia inúmeros impropérios com a meninada, que fazia isso só para enfernizar a vida de Seu Severino Padilha.
       Claro que hoje, se existisse o tipo de comerciante que foi Severino Padilha, poder-se-ia dizer com toda certeza que jamais sobreviria em face da concorrência e da filosofia adotada, de que o freguês, em qualquer circunstância, “sempre tem razão”, o que não passa de uma meia-verdade, entretanto, quem não agir dessa forma, não chega realmente a se estabelecer como comerciante e se firmar no mercado mercantilista de qual ramo for, no mundo moderno atual.

       Na realidade, ainda existem comerciantes aqui em Buíque, que em parte muitos deles foram criados com a gente mesmo, sabem quem somos, mesmo assim, não tem a menor consideração por ninguém e por isso mesmo, é que existem comerciantes em nossa terra que, se a gente bem souber, não passa sequer na calçada de alguns deles, porque não merecem nem isso, em face de não terem o menor respeito ou o mínimo de consideração por ninguém. Em muitos casos, melhor comprar no comércio de Arcoverde, que no nosso, aqui em Buíque, justamente porque existe uma parte deles, principalmente alguns que cresceram justamente com a gente mesma, que não merecem nem um bom dia, ou sequer um aperto de mão. Existem alguns mesmos, que se só alguns deles, trabalhassem em determinado ramo de negócio aqui em Buíque e, se depender de viver para se comprar algo de um desses indivíduos, preferiria morrer do que pisar no chão de alguns desses execráveis e inadequados comerciantes, porque não merecem o nosso respeito, muito menos consideração. Pelo visto, os “Severinos Padilhas” daqueles tempos, com todo respeito que sempre tive pelo “velho” Severino Padilha, ainda existem aos montes aqui em Buíque e que precisam ser varridos do nosso comércio, porque não merecem continuar com a mercancia de coisíssima nenhuma! – Esses tipos deveriam era mesmo, procurar uma lavagem de roupa, porque não nasceram para a mercancia, que requer pessoas bem traquejadas, educados e preparadas para viver neste mundo moderno atual.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

JOGOS MORTAIS DA BALEIA AZUL - CUIDADO, JOVENS!!!


     No decurso da história da humanidade, a gente tem observado e tomado conhecimento, de todo tipo de barbárie que os próprios seres humanos praticaram e ainda praticam uns contra os outros. Se existia requintes de crueldades, nos dias atuais, não tem sido muito diferente de forma alguma. Com os avanços tecnológicos, por exemplo, as torturas que são praticadas contra corpos e mentes, talvez venham a ser bem piores do que àquelas rudimentares, violentas, aberrantes e cruéis praticadas no decorrer dos tempos.
  Com o recente surgimento nos meios de comunicações avançados, a exemplo da internet, que se aperfeiçoa a cada dia e a toda hora algo diferente é criado e inventado, parece que em muitos campos da humanidade, o que pode em determinadas áreas humanas ser benéficos, como de fato o são, para vir a socorrer muitas pessoas em determinadas circunstâncias de suas vidas, da mesma forma, vêm a piorar em condições inimagináveis, a vida de muita gente, que se utilizam dos meios de comunicações internetários, que dá para se acreditar que é a maioria da população mundial.
      A novidade da internet no momento, é um denominado de Jogo Mortal da Baleia Azul, que é formado por um grupo fechado de pessoas, liderados por alguém de mente doentia, em que buscam através de outras redes sociais, atingir principalmente os jovens, com mentes perturbadas, sem um personalidade ainda formada, psicologicamente fragilizados e com tendência clara ao suicídio, a participar desse perigoso brinquedo com a vida humana, em que são determinados a pessoas meticulosamente escolhidas e que se sujeitam a participar, em que a cada pessoa é dado um desafio que terá que cumprir em determinado prazo, sob pena de vir a ser punido até mesmo com a morte, acaso não cumpra àquela tarefa determinada pelo líder de certo integrante de alguns desses grupos que se submeteram a participar desse jogo mortal. Os desafios começam com, por exemplo, o adolescente com mente perturbada, a se cortar nos braços, nas faces, ou em alguma outra parte do corpo, isso de forma gradativa, até chegar a atingir desafios maiores nesse jogo de barbárie, até chegar a cometer o seu próprio suicídio, como vem ocorrendo mundo afora, onde jovens e adolescentes, com mentalidades fragilizadas, perturbadas, se submetem a esse tipo de automutilação, até atingir o ápice maior, que é a própria morte do participante. É realmente algo estarrecedor.
   Indubitavelmente, a internet na área da comunicação, tem facilitado a vida de muita gente, principalmente na aproximação das pessoas, mesmo à distância e dos meios comerciais, em que tem facilitado em muito as transações comerciais. Por outro lado também, existe o lado maléfico da coisa, em que muitas pessoas são enganadas, ludibriadas, usurpadas e até mesmo, chegando a ser assassinadas, através da facilidade do mundo virtual da comunicação, o que é o lado negativo do desenvolvimento tecnológico na área de comunicação.

    Esses malefícios se manifestam de várias modalidades. Uma delas, além de tantas outras aberrações que se publicam e postam em redes e navegadores, no momento, tem sido esse desafio psicopatológico do Jogo da Baleia Azul. De conformidade com informações, esse jogo psicopata teve início na Rússia, há quatro anos e, lá, quatro jovens com menos de dezoitos anos de idade, já vieram a se suicidar, levados passo à passo, por esse jogo de filme de horror, parecido até com a famosa trilogia de Jogos Mortais, que é na verdade, um terror tremendamente horripilante e assustador, para quem tem coragem de assistir. Pessoalmente, gosto de filmes de terror, mas me deixar levar psicologicamente pelo que eles demonstram em seus efeitos especiais, é outra coisa. Esse jogo certamente teve inspiração nesse filme e em outros que são produzidos com certa freqüência, que são de arrepiar. Com isso, esse tal de Jogo da Baleia Azul, em jovens problemáticos são incentivados a enfrentar desafios de mutilações e a outros de extremo perigo de vida, terminam por se suicidarem e, outros jovens, além dos três russos, também já cometeram suicídio, o que vem preocupando a população mundial, isso porque, a tendência é esse filme de horror humano ao vivo, vir a se multiplicar, em face das mentes frágeis que temos, com tendências psicopatas e ao suicídio. É uma das criações perigosas das redes sociais e colocar as mães em quem está liderando esses grupos fechados, tem que ser um trabalho cuidadoso das policiais de inteligências mundiais, para que essa praga não venha a se multiplicar ainda mais para que a vida de inocentes de mentes fragilizadas, não venham a ser ceifadas sem nenhuma razão. Cuidado pois, juventude, para esse tipo de desafio do JOGO MORTAL DA BALEIA AZUL!

domingo, 16 de abril de 2017

NÚMERO DE RELIGIÕES NO MUNDO PASSA DE 10 MIL


Pesquisador mostra contraste religioso entre o século 20 e o 21
por Jarbas Aragão
Número de religiões no mundo passa de 10 mil

  O Boletim Internacional de Pesquisa Missionária, preparado por David Barrett, lança um olhar detalhado sobre a situação religiosa no mundo a cada ano. Barret é um conhecido professor de “missiometria” da Universidade Regent. Ou seja, ele se especializou em analisar dados sobre as religiões do mundo, em especial do trabalho missionário cristão.
    Embora saibam que é impossível ter precisão absoluta, Barrett e sua equipe mantém um banco de dados atualizado constantemente e fazem projeções usando a metodologia de especialistas em estatística. Anualmente, usam os dados que dispõe para atualizar seu relatório e fazer projeções para o futuro próximo.
     A religião cristã, por exemplo, era praticamente fixa no século XX. Havia apenas 558 milhões de cristãos no mundo em 1900. Em contraste, chegamos a cerca de 2 bilhões de cristãos na metade de 2012.
     Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!
  No entanto, se considerarmos a porcentagem da população mundial, o cristianismo perdeu terreno. No início do século passado os cristãos eram 34,5% da população mundial, mas apenas 33,1% agora.
    Metade dos 2 bilhões de cristãos no mundo são católicos. O segundo maior “megabloco” são os cristãos afiliados a “igrejas independentes”, que têm cerca de 400 milhões de membros. Ou seja, quase o dobro dos 217 milhões de fiéis ortodoxos em todo o mundo.
   Barrett contabilizou 350 milhões de protestantes, divididos em centenas de denominações e mais 80 milhões pertencestes à comunhão Anglicana, que para muitos são um híbrido de católicos e protestantes. A tendência é que as posições desses “megablocos” dentro cristianismo mundial permaneça constante ao longo dos próximos vinte anos.
     O que mais chama atenção é como a vida cristã mudou radicalmente no século XX.
Os cristãos reuniam-se em 400 000 congregações em 1900. Hoje, podem ser encontrados cerca de 3,5 milhões de templos em todo o mundo. Em 1900 havia 300 000 livros publicados sobre o cristianismo. Em 2012, chegaremos a 5,1 milhões de títulos relacionados ao tema.
     Os 3500 revistas cristãs publicadas em 1900 são uma pequena fração das 35 000 publicações cristãs impressas que circulam hoje. Em 2002, a previsão é que o número de Bíblias distribuídas seria dez vezes maior que em 1900. Em um século passamos de 5.5 milhões para 59 milhões de exemplares anuais das Escrituras ou de parte delas.
  Talvez o mais surpreendente seja o número de denominações cristãs, eram 1.900 um século atrás, e agora chegam a 35.500. O cristianismo tornou-se muito mais um fenômeno urbano do século 20. Em 1900, apenas 28% dos cristãos do mundo viviam em cidades. Este ano, mais de 58% da população cristã vive em áreas urbanas.
     A revolução das comunicações também teve um impacto dramático sobre a vida cristã. Em 1970, as organizações cristãs utilizam cerca de 1000 computadores. Hoje são 332 milhões de computadores.
Atualmente, 2,5 bilhões de pessoas assistem e   ouvem programas cristãos de rádio e TV todo mês, um número que deverá subir em 2025 para 3,8 bilhões. Trinta anos atrás, apenas 750 milhões tinham acesso a programas cristãos. Isso sem contar a internet, cuja audiência não pode ser medida.
    Mesmo assim, o Islã é a religião que mais cresce no mundo hoje. Dos 200 milhões de seguidores em 1900, os muçulmanos cresceram mais de 500% durante o século 20.
    As mudanças demográficas nos últimos trinta anos chama a atenção. Em 1970, havia 554 milhões de muçulmanos no mundo e 666 milhões de católicos. No ano 2000, o Islã chegou a 1,2 bilhão de seguidores, enquanto o catolicismo contabilizava 1,1 bilhão. Isso significa que, em 2025, devemos ter 1,3 bilhão de católicos em um mundo habitado por 1,8 bilhão de muçulmanos.
    O total do que Barrett chama de “religiões diferentes” cresceu de 1000, no ano de 1900, para 10 500 hoje, e deve chegar a 15 000 nos próximos 25 anos. Embora este crescimento pareça absurdo, o surgimento das novas religiões mostra que o mundo moderno não é tão ateu nem rejeita tanto assim a religiosidade quanto se pensa.
   Essas novas religiões misturam elementos da fé de cristãos, budistas, hindus, muçulmanos e outras menos expressivas. Por exemplo, a Dai Viet Nam mistura budismo, confucionismo e taoísmo, usando ao mesmo tempo a Bíblia e o Alcorão, e tendo um líder com status de “Papa”. Outro exemplo são os muçulmanos Ahmadi, os quais afirmam que Jesus escapou da cruz e morreu na Índia com 120 anos.


Traduzido e adaptado de Cristianos.com