QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

ENTREVISTA CONCEDIDA POR ESTE BLOGUEIRO NO SITE DE PAULOCORDEL.COM, FALANDO SOBRE VÁRIOS TEMAS DESDE A VIDA PESSOAL, SOBRE POLÍTICA, CULTURA E O MOMENTO ATUAL.





Paulo Cordel: - Bom dia Dr. É uma grande satisfação realizar essa entrevista, para que os amigos conheçam mais um pouco de sua história de vida, seus projetos, sua visão de mundo.
De início, gostaria que você informasse os seus dados pessoais (onde nasceu, data, filiação etc.

MANOEL MODESTO: - Bom dia amigo Paulo Tarciso (Paulo Cordel) e também aos leitores deste site que vem tratando com muita dedicação e esmero de nossa cultura. Primeiramente, nasci aqui mesmo em Buíque, pelas mãos de uma parteira, no Sítio Cigano, praticamente num lugar que fica no horizonte do oitão do pequeno sítio onde moro atualmente (atualmente é zona urbana). Vim ao mundo no ano de 1952, em 28 de março e o prefeito de Buíque, era Dr. José Cursino Galvão. Meus pais, já falecidos, são Milton Modesto de Albuquerque e Adelaide Alves de Albuquerque. Meu pai era filho de Manoel Modesto (Mané Modesto, meu avô) e Aurora Laerte Cavalcanti (minha avó). Fora minha pessoa, tive mais cinco irmãos, três homens e três mulheres, dos quais só restam hoje, cinco, contando comigo: três homens e duas mulheres. A minha visão de mundo foi a que aprendi dentro das dificuldades em que vivi e tive que enfrentar no desenvolvimento de toda a minha existência. Sou humanista de nascença, sonhei sempre com um mundo mais justo, busquei sempre combater o bom combate, me posicionar sempre ao lado dos mais fracos e oprimidos e sei que quando me for desta para outra, apesar de tudo que tentei fazer, acredito não ter realizado o idealismo de vida que sonhei diferente como mudança de vida e de mundo, mas a vida é assim e certamente, algo de mim vai ficar para os pósteros, porém não como deveria ou como imaginaria que fosse, mas fiz o que esteve ao alcance de minhas mãos ou até aonde estas puderam alcançar. Poderia ter feito mais, porém não foi possível e fiz o que pude fazer nesta minha caminhada.
Paulo Cordel: - Conte-nos, como foi a sua infância.

MANOEL MODESTO: Tive uma infância difícil. Tendo nascido no Sítio Cigano, que sequer um veículo chegava até o casebre chinfrim de meus pais, me entretia com o criatório de galinhas de minha mãe, algumas cabras e ovelhas de meu pai e, mesmo pequenenino,  trabalhava na roça para ajudar e da terra tirar o sustento da família. Por volta de meus oito para dez anos, fui acometido por uma doença grave na época, que chamavam popularmente de “febre tifo”, fui trazido para à cidade no lombo de um jumento (na garupa) e meu irmão Miltinho montado no lombo forrado por um saco, todo coberto por um rude cobertozinho de lã chula e lembro vagamente que fui atendido num Posto de Saúde que existia em frente da atual prefeitura, onde é a Casa de Saúde Senador Antonio Farias, por Dr. Zé Cursino, que prescreveu umas dez ou mais injeções de bezotacil (penicilina), que para tomar na casa de meu tio Zé Modesto, onde ficamos no período da doença, e só sei que tinha que umas cinco pessoas ou mais me seguraram para poder aguentar a levar a picada da injeção na bunda, que era aplicada por um dos antigos guardas de prevenção de saúde pública da época. Era uma via-crúcis de morrer, mas felizmente, não cheguei a tanto. Consegui escapar, e com a luta de minha mãe, por volta dos dez anos de idade, a família veio morar na cidade para que pudéssemos estudar. Sei que aprendi minhas primeiras letras na Escola Duque de Caxias, que ficava localizada entre as duas praças do centro de Buíque, Vigário João Ignácio e Major França, que foi derrubada de nossa história pelo então prefeito Anibal Cursino, já na década de 70. Por conta de problemas enfrentados por meu pai, que houvera sofrido uma tentativa de homicídio em fins de 1963, no ano seguinte, logo após o golpe militar de 1964, quando contava com apenas 12 anos de idade, fui com a família para o Estado de São Paulo, onde vim a sofrer juntamente com os meus pais e irmãos, o pão que o diabo amassou, porém foi lá onde terminei o curso de alfabetização e fiz o curso de admissão ao ginásio, onde comecei a estudar o que hoje se denomina de ensino fundamental. Em 1972, com vinte anos de idade, eu e demais familiares, voltamos para Buíque, onde conclui o curso ginasial no Ginásio Comercial de Buíque e, trabalhando no Bar Arizona, com meu irmão Miltinho Modesto, estudei o curso científico, o que se denomina hoje, de ensino médio, na Escola Estadual Carlos Rios. Em 1975 fiz o primeiro concurso público do Banco do Estado de Pernambuco - BANDEPE, e fui o primeiro buiquense a passar num certame público dessa natureza, vindo a trabalhar como bancário por dezesseis anos, quando em 1991, no governo de Joaquim Francisco, vim a ser demitido com mais duas mil famílias, em face da quebra do banco pelos políticos da ocasião, dando novo rumo à minha vida. Como já era formado em Direito, comecei advogar e com o dinheiro recebido de indenização, inventei de colocar um comércio em Arcoverde e como não fui uma pessoa moldada para esse ramo de atividade, cheguei a quebrar e perdi tudo que ganhei dos meus dezesseis anos de bancário, fiquei endividado, sem crédito no mercado, porém continuei a militar na profissão de advogado até os dias atuais e terminei por atravessar mais uma etapa dessa travessia que é a vida de cada um de nós.

Paulo Cordel: - Em que escolas você estudou na fase infante, e quem foram seus(as) professores(as)? Se possível, cite também os nomes de cinco colegas de classe.

MANOEL MODESTO: - Como já dito na pergunta anterior, estudei na fase infantil na Escola Duque de Caxias, no centro de Buíque e minha professora que me ensinou as primeiras letras, foi Dona Aderida Cursino, rigorosa professora, em que se a gente não respondesse certo a lição ou faltasse com o respeito, até mesmo por traquinagens de outros colegas peraltas que colocavam o sujeito numa encrenca, ia direto para a espessa palmatória ou então, dependendo da gravidade da traquinagem, o castigo era ficar de joelhos na frente do quadro-negro, de costas para a turma, em cima de caroços de milho ou de feijão. Era praticamente uma tortura daquela época na base da psicologia corretiva aplicando-se a violência, a tortura em si mesma, porém às vezes dava resultado, porém na maioria dos casos, quando o meleque era ruim, traquina mesmo, não tinha quem desse jeito. Mesmo nessa psicologia da intimidação e do medo, muitos não se corrigiam. Dos colegas que vagamente me lembro, posso citar Siana de Liminha, Edmilson de Zé Soares (Bill Kid), Diana Galvão, Águeda Araújo (esposa de Joãozinho da Santo Antônio de Pádua) e Galvãozinho, fora outros que não me vem à memória depois de tanto tempo passado.

Paulo Cordel: - E depois na fase de jovem, onde você cursou o que nós chamávamos de “segundo grau”.  Cite alguns professores e colegas de classe?

MANOEL MODESTO: - Como já citei, estudei o curso científico (atual segundo grau) na Escola Carlos Rios, em Arcoverde. Dos colegas de classe, lembro dos que iam para Arcoverde numa velha rural ou num fusquinha por mim dirigido, estudávamos no horário noturno, naquela cidade. Demorávamos daqui para Arcoverde, em face de ser estrada de piçarra, principalmente nos períodos chuvosos, em torno de duas horas de percurso Buíque-Arcoverde e vice-versa. Vandelson Pereira (Gavião) e Luis Cláudio Barros foram os que mais me marcaram porque estudávamos juntos e viajávamos no mesmo transporte à época, entre 1973 a 1976, quando concluímos o curso científico. Dos professos lembro de Geovani, que era o Diretor, de uma professora de matemática irmã de Dr. Gilson Duarte (já falecido), de um professor de física da cidade da Pedra, um sujeito agalegado, entre outros que não me vêm à memória no momento. Fiz muita amizade por onde passei, mas minha memória pelo visto, perdeu de alcance muitas dessas pessoas, mas ainda lembro de muitas delas, porém não sei nominar cada uma na atualidade.

Paulo Cordel: - Em assunto de inteligência ou intelectualidade, sempre o conheci como um destaque nesta cidade. Desde tenra idade sempre ouvi comentários elogiosos sobre sua pessoa, nesse aspecto. A que se deve isso?  

MANOEL MODESTO: - Bem, não me considero um intelectual ou inteligente, porém apenas uma pessoa que muito fez esforço diante de fatores circunstanciais e adversos em minha vida, para perseguir e alcançar um objetivo de vida. Acredito que em parte cheguei a conquistar parte daquilo que nesta caminhada imaginei, porém teria ainda muito mais a ser feito. Só sinto que o meu tempo está encurtando e não farei tudo que sonhei ou imaginei em realizar nesta minha caminhada, isso porque, nem tudo nesta vida a gente é capaz de realizar. Só digo uma coisa, fui tão-somente mais um mero catador de ilusões, como muitos na verdade o são. Antes pensava que “querer é poder”, porém cheguei à conclusão de que, o querer é buscar fazer o que as suas mãos podem alcançar, nada mais do que isto, porém a gente tem que sempre ter em mente a persecução de um objetivo de vida, para que possamos dar o sentido de viver com o mínimo de dignidade para nós próprios, nossa família e buscar na medida do possível ajudar ao nosso próximo.

Paulo Cordel: - Como a grande maioria dos nordestinos de sua época jovem, você e sua família também passaram pela experiência de se ausentarem da terra natal, para tentar a sorte na cidade grande, no sul do país. Conte-nos um pouco sobre essa experiência.

MANOEL MODESTO: - A ida para São Paulo foi uma saga seguida por muitos nordestinos. Lá senti a dureza daquela impiedosa Selva de Pedra, insensível, em que buscam nos ver como meros invisíveis, fazendo com que me sentisse naquele lugar pelos oitos anos em que lá vivi, como um mero “estranho no ninho”. Claro que a ida para São Paulo foi uma busca de melhorias de vida, mas também, por fatores circunstâncias que ocorreram na década de sessenta, quando meu pai sofreu uma tentativa de homicídio e, para que não houvesse uma tragicidade maior, uma vingança em nome da honra, por essa razão, resolvemos partir para àquele estranho e tenebroso mundo, que está mais para um pesadelo do que para você conseguir alcançar algum sonho imaginado por qualquer um “nordestinado da sorte”. Mas ir para São Paulo, foi muito importante e serviu de lição de vida para que pudesse ter mais forças para alcançar algum objetivo de vida e ter ficado mais fortalecido na persecução daquilo que na vida queria alcançar dentro das tantas vertentes de possibilidades.

Paulo Cordel: - Ganharam muito dinheiro nesse período.  Voltaram ricos? (risos).  Como foi o retorno de São Paulo para Buíque e como os amigos e familiares o receberam?
MANOEL MODESTO: - Meu camarada, claro que não! - Quem é que chega a ficar rico ganhando mísero salário mínimo? - Quem ganhava mais era meu irmão mais velho, Miltinho Modesto, porque era um fino pedreiro e só passou a ganhar mais a partir do momento que começou a pegar obras por empreitada. Como ele era um pedreiro fino, passou a ganhar um pouco mais, trabalhando em média dezesseis horas por dia, fez algumas economias e foi o único que voltou com algumas reservas porque deu o seu sangue naquele insensível lugar erigido pelo suor e sangue de nós nordestinos. À volta para Buíque foi um alívio para a minha vida e para os demais membros de minha família. Ainda com sotaque paulista, calça boca-de-sino, cinturão afivelado e sapato cavalo de aço, só queria mesmo ser o “metido à paulista”, o “boy” do pedaço com sotaque e tudo mais, parecendo mais a bala que matou Getúlio Vargas. Com o tempo tudo foi se ajustando novamente e voltamos a ser o que sempre fomos: nordestinos da gema e sempre orgulhosos de ser o que sempre fomos.

Paulo Cordel: - Na sua avaliação, foi importante essa experiência, ou foi indiferente?

MANOEL MODESTO: - Ir para àquele mundo distante e estranho foi para mim, uma grande experiência de vida. Serviu de lição para que diante do preconceito sofrido, da indiferença com que o pessoal daquele lugar nos tratava, só veio a se firmar a vontade interior de mostrar que poderia ser bem maior do que o desdém com éramos tratados por àquelas pessoas metidas e que na verdade, nunca foram ou vão ser melhores do que nós de forma alguma. Somos bem mais inteligentes do que eles. Afinal, não somos nós que devemos a São Paulo, porque eles se utilizaram de nossa mão-de-obra barata, nos humilharam e ainda humilham e no final de contas, quem ganham são eles com o menosprezo, o trabalho praticamente escravo com que nos tratam. O preconceito, o tratamento diferenciado de inferioridade, é comprovado e fato atual, pelos vídeos e falas de muita gente do Sul e Sudeste, que pelo visto, não vão parar de nos ver com outros olhares, que frequentemente são jogados nos meios midiáticos, principalmente nas redes sociais. O mundo avançou, porém a mentalidade de muita dessa gente de lá, em nada mudou.

Paulo Cordel: - Já na fase mais madura você ingressou no mundo universitário. Em que ano isso aconteceu e qual(is) foi(ram) os cursos que você fez?

MANOEL MODESTO: - Por toda sorte de dificuldades que passei no período de infância, adolescência e já na fase adulta, me atrasei em demasia nos estudos. Não existiam as facilidades de hoje, por isso mesmo, com muito esforço, mesmo trabalhando à noite no BANDEPE, no serviço de compensação, fiz vestibular de engenharia, do meio para o final da década de setenta, passei para a UFPE, chegando a cursar até parte do profissional, mas não conclui esse curso. Cinco anos depois, morando em Pesqueira, me submeti a novo vestibular, agora no campo das ciências sociais, em Direito, na FADICA (atual ASCES) e passei, tendo iniciado nesse curso em 1985, vindo a concluir em 1990, tendo sido o orador de minha turma. Também fiz um curso de Pós-Graduação em Direito Civil e Processual Civil, em Garanhuns. Pretendo ainda fazer um mestrado em Direito Penal, que tenho muito gosto por essa matéria que tanto me emociona quando faço um júri, porque é nessa tribuna que o verdadeiro advogado se complementa, pelo menos é assim que aprendi e imagino ser.

Paulo Cordel: - Diga os nomes de alguns professores desses cursos superiores e alguns colegas de classe. É uma forma também de homenagear eles.

MANOEL MODESTO: - Não tenho uma mente computacional ou fotográfica para gravar nomes. Lembro bem das fisionomias, mas de nomes, muito poucos, porque era uma turma de mais de cem alunos de muitos lugares de nosso estado e de outros também, mas lembro do ex-deputado Eduardo Gomes, João Neto, os dois Franciscos, entre outros(as).Tinha vários colegas de muitos lugares, porém lembrar de nomes é muito difícil. Dos professores, lembro de um juiz de direito, Dr. José Carneiro, Dr. José Izidoro Martins Souto, tinham também dois promotores de justiça, um era o professor de Direito Penal e outro magrela e grandalhão de Direito Civil, hoje é desembargador do TJPE, e guardo lembranças do mestre Pinto Ferreira, que era Diretor-Presidente emérito da Faculdade. Lembro das fisionomias de todos os nossos professores, porém a essa altura do campeonato fica difícil citar nominalmente alguns desses nomes. Muitos até já faleceram e acredito que de meu tempo, não deve existir mais nenhum de nossos professores.

Paulo Cordel: - Por um bom tempo você se ausentou de Buíque, fixando residência na cidade de Pesqueira, no entanto, nunca perdeu o contato com seu “cordão umbilical” que é Buíque. Conte-nos um pouco dessa história.

MANOEL MODESTO: - Acredito que minha vida foi permeada por ter perambulado como um viajante ou retirante em vários lugares. Não fixei residência em nenhum deles, porque Buíque sempre foi o meu cordão umbilical, a ponto de nunca ter transferido o meu domicílio eleitoral para outro qualquer lugar onde morei, a não ser em São Paulo, na época da ditadura, quando passei à maioridade, ainda cheguei a votar no senador Mário Covas, no deputado federal Ulisses Guimarães, que eram do MDB que se denominava à época, de autêntico. Em São Paulo morei por oito anos, entre 1964 a 1972; em Recife, nas duas vezes em que morei para estudar e trabalhar, na primeira vez, fiquei em média cinco anos, entre 1977 a 1982, na segunda vez, uns quatro anos; em Pesqueira, morei por volta de dez anos, em dois períodos distintos de minha vida; em Arcoverde, morei por uns cinco anos e por último, o restante de minha vida sempre tive residência fixa em Buíque, embora não tenha tido o reconhecimento por isso, mas tenho ciência própria que busquei sempre dar o melhor de mim.

Paulo Cordel: - Me recordo que na época do antigo BANDEPE (Banco do Estado de Pernambuco) você foi um exímio funcionário, só deixando aquele trabalho quando a entidade foi extinta.  

MANOEL MODESTO: - Indo mais à fundo, fui admitido no Banco do Estado de Pernambuco S/A - BANDEPE, em 1975. Fui o primeiro buiquense a ocupar um cargo numa empresa de sociedade mista, onde o nosso estado detinha 99,9% das ações, através de concurso público, por sinal, o primeiro realizado pelo Banco, no governo biônico de Moura Cavalcanti, salvo engano. Iniciei minha vida de bancário como Investigador de Cadastro, depois, já estudando engenharia e trabalhando no Recife, tendo me casado e constituído família, por precisar ganhar um melhor soldo salarial, fiz um concurso interno de Chefe de Carteira Rural, que depois passou a ser Chefe de Seção de Desenvolvimento, uma carteira que tinha status de um gerente do banco, porque cuidava justamente da parte de desenvolvimento e financiamento de programas estruturadores da zona rural de nosso Estado. Acredito ter feito um bom trabalho e sempre buscava trabalhar dentro das normas, apesar da politicagem que imperava no banco, a ponto de ter tido muitos problemas com isso, quando por influência política algumas pessoas influentes queriam contrair empréstimos para desviar o dinheiro e eu não aprovava e vetava tais empréstimos, ainda assim, como existia uma hierarquia, não havia quem pudesse controlar esse tipo de empréstimos em que o banco concedia e que não recebia nunca, ia para os ativos de fundos perdidos. Cheguei também a fazer um concurso interno para Gerente Geral de Agência, passei, fiz um curso no Recife por uns seis meses, fui o primeiro lugar no curso preparatório, e só sei que fui preterido por problemas de ordem política e, pouco tempo depois, o banco por grandes forças políticas que só usufruíam da instituição financeira para tirar e não colocar o dinheiro de volta, o banco veio a enfrentar inúmeras dificuldades e, em 1991, no governo de Joaquim Francisco, junto com mais dois mil funcionários vim e ser demitido e foram fechadas em torno de noventa agências do banco. Depois veio a liquidação do banco que estava podre e sem condições de se reerguer novamente, foi vendido a um banco estrangeiro por cerca de 186 milhões de reais, porém tinha na época um passivo que não cobria esse valor. Quer dizer, bicharam o banco e depois disso, o venderam à troco de bananas. Por politicagem barata, muita gente entrava pela janela, porém eu que passei em primeiro lugar para ocupar o cargo de Gerente Geral de Agência, não cheguei a ocupar esse cargo, porém o banco nunca deixou, mesmo quebrado, de ser utilizado como instrumento político até vir a ser despedaçado de vez. Fiz um bom trabalho no banco e minha ficha nessa instituição, ainda existente na passagem de banco para banco, é limpa e uma das melhores. Muitos laços de boas amizades também cheguei a fazer, e um dos melhores amigos, que foi Diretor de Recursos Humanos, Lucilo Melo de Almeida, ainda hoje nos comunicamos, foi um dos grandes amigos que deixei, dentre muitos outros.

Paulo Cordel: Me recordo que você criou e manteve por um bom tempo um jornal que circulava mensalmente, inclusive com distribuição gratuita em nossa cidade. Como era o nome do jornal, como isso aconteceu. Como surgiu a idéia e em que período o mensário existiu?

MANOEL MODESTO: - Como sempre fui um ativo militante na política e como queria chegar a uma forma de criticar o então status quo vigente, resolvi no final da década de oitenta para início da de noventa, fundar um meio de comunicação de massa que viesse a alertar a nossa gente sobre o rumo de nossa política e em especial de administrações públicas. Era um jornal artesanal, diagramado ainda na base de linotipo, em que cada matéria era composta letra por letra e depois rodado numa impressora daquelas mais antigas, talvez das primeiras existentes. O jornal era a VOZ DE BUÍQUE, que inicialmente era composto e impresso na Gráfica da Diocese de Pesqueira e depois noutra gráfica de um amigo pesqueirense, Zé Carlos, que por termos ideais políticos idênticos, me cobrava um valor que coubesse no meu bolso e assim, por muitos anos publicava matérias criticando a política local, regional e escrevia outras matérias de cunho cultural, mas o foco principal era a crítica política e de seus descasos. Cheguei certa feita, a quase apanhar em Buíque, quando vinha de Pesqueira exclusivamente distribuir o jornal. Noutra ocasião cheguei até a levar uma carreira que me seguiu em seu carro preto até a saída de Buíque. Naquela época o meu veículo era um velho Corcel II amarelo, mesmo assim, ninguém chegou a me agredir fisicamente, mas fui muito perseguido por buscar expor minhas posições políticas aqui mesmo em Buíque, porém nunca capitulei, porque meu objetivo era justamente mexer com a política desvirtuada dos verdadeiros primados que devem sempre orientar e reger uma administração pública. Acredito ter conseguido em parte o meu intento, porém não cheguei a operar mudanças na mentalidade de algumas pessoas que me consideravam de “besta”, “tolo”, por está se metendo aonde não deveria. Na Câmara de Vereadores de Buíque, em acalorados debates fui motivo de muitas críticas, inclusive de ordem pessoal, em face de minhas críticas à atuação negligenciada dos vereadores da época. No meu ideal de vida, sempre tive como objetivo combater o que estava errado e buscar mostrar os caminhos a ser seguidos. Acaso não tenha sido compreendido, ainda assim continuei e tentei mudar naquilo que acreditava possível e isso é uma marca, é algo fincado na alma da gente que até o presente momento ainda carrego comigo e não é nessa altura do campeonato da vida que vou mudar coisíssima alguma. Meus ideais de vida, mesmo não tendo conseguidos meus objetivos, vou fenecer com eles, porque ninguém pode mudar o que sempre foi e acreditou ser o correto.

Paulo Cordel: Além de manter duas colunas no mensário “Jornal de Arcoverde”, há muitos anos, você já escreveu, publicou e lançou cinco livros. Sabemos das dificuldades um escritor interiorano atingir essa meta, conte-nos um pouco sobre esse fato: 

MANOEL MODESTO: - Há mais de três décadas que escrevo para o Jornal de Arcoverde, juntamente com o seu fundador, diretor e editor, Enaldo Cândido. A coluna mais antiga que mantenho naquele mensário é o REVERSO DA MEDALHA, depois vim a criar outra coluna que achei por bem em publicar a qual vim a denominar de “O CAOLHO”, uma alusão aos que buscam não ver o mundo dentro de sua verdade real, mas sim, dentro daquilo que venha a agradar aos poderosos de plantão, o que não é e nunca foi o meu caso. Os meus cinco livros publicados, não tive a ajuda de ninguém, a não ser o primeiro, editado, publicado e lançado em 1988, em Pesqueira, há 31 anos, em que houve uma ajuda de meu irmão Miltinho Modesto e de Dr. José Cursino Galvão (ex-prefeito de Buíque), porém os demais não tive apoio de quem quer que seja. A gente que trabalha com cultura, principalmente na área literária, se depara com muitas dificuldades para publicar os seus trabalhos e se não for custeado por suas próprias economias, não há quem apareça para patrocinar e promover o seu trabalho, a sua obra, porque isso não dá voto e tão-somente uma minoria ainda liga para a nossa cultura e novos escritores. As dificuldades são muitas, porém nunca desisti de meu intento, tampouco vou parar nessa fase de vida, pois ainda tenho muitos trabalhos a realizar e publicar antes do sono derradeiro. Escrever para mim não é buscar ficar famoso ou obter lucro, mas o faço por amor às letras e à cultura, porém se chegar a ser lido por algumas pessoas, já me sinto gratificado.
Paulo Cordel: Cite os nomes de cinco livros que você já leu e que de alguma forma influenciaram a sua vida.

MANOEL MODESTO: - O primeiro, lançado em 1988, o intitulei de MODESTO À PARTE, uma reunião de crônicas, algumas poesias e dispersos fatos históricos de minha terra, Buíque; já o segundo livro, cheguei a publicar e lançar, dezessete anos depois, em 2005, NO AMOR E NA POLÍTICA MUITA “SAFADAGE” HÁ, um romance-político, inspirado em fatos políticos de nossa própria região; em 2013, diante da grande polêmica criada entre o casamento de pessoas do mesmo sexo, com base não propriamente numa lei específica, mas numa súmula do STF, publiquei a tese INCONSTITUCIONALIDADE LATENTE DO STF NA QUESTÃO DO CASAMENTO HOMOAFETIVO, um livro jurídico, colocando o meu ponto de vista sobre a legalidade ou não desse novo modelo familiar, porém sempre respeitando as opções de modo de vida de cada ser humano; vertendo sempre nas veias a verve do poeta que sempre percorre em nós que escrevemos, vim a publicar meu quarto livro e o primeiro de poesias, em 2015, CHAMAS TORRENCIAIS DE MINH’ALMA, uma reunião de poesias em que uma pequena parte provém de minha infância e a outra, de minha maturidade de ser humano na ótica poética de ver o mundo e, por último, tendo reunido uma série de causos, crônicas e contos, vim a publicar e lançar em 2018, o meu quinto livro - CATADOR DE ILUSÕES, título esse que o rotulei imaginando na reunião de parte deles e pude perceber que em cada um que escrevi vi refletido nos meus escritos uma ponta de que nós seres humanos, sempre temos um quê de CATADOR DE ILUSÕES, que estou trabalhando na divulgação no momento e, via de regra, estou rascunhando o meu próximo livro, o sexto, o qual vinha estruturando as ideias e escrevendo, desde o ano de 2017. Será um romance que já tem título, porém só será revelado no momento oportuno. Escrever é minha vida, buscando sempre através da escrita mostrar o mundo como o vejo à minha volta, transformar num escrito qualquer, para, quem chegar a ler qualquer um de meus trabalhos, vir a criar o seu próprio mundo e a fazer as suas próprias observações sobre o que quis transmitir de dentro de minha alma. Escrever é fazer uma profunda viagem dentro de nossa própria alma e ler é fazer a sua própria viagem através da alma de quem escreveu.

Paulo Cordel: - Nós fomos privilegiados na época de jovem, por termos alcançado o auge da sétima arte (o cinema) nas cidades de interior. Cite dois filmes daquela época que marcaram sua vida e se desejar cite sobre um filme ou série da atualidade que você recomenda aos leitores.

MANOEL MODESTO: - Aqui em Buíque, a gente assistia a filmes em preto e branco, de O Zorro, Bat Masterson, Bill The Kid, Tarzan, entre outros. Eram filmes, alguns deles em seriado, em que toda semana passava um capítulo e no final de cada filme ou seriado, sempre terminava com um beijo singelo entre o mocinho e a mocinha. Agora assistir a dois filmes que nunca saíram de minha memória: Os Embalos de Sábado à Noite e Love Story, já numa fase mais amadurecida, porém esses dois filmes me emocionaram. Eram filmes singelos, sem maldades, direcionados somente para um público que em nada via, a não ser amor, ternura e simplicidade de vida. Hoje em todo filme que se assiste, quer brasileiro ou enlatado americano, o que se vê é sexo, violência, “fumar baseado” e outros tipos de drogas ilícitas, sem nenhuma similaridade com os filmes da belle epoque de nossa infância e juventude. Mas temos bons filmes. Recomendaria para quem é amante ainda da sétima arte, não nas telonas que só tem em shoppings centers e em cidades grandes e de médios portes, mas indicaria dois bons seriados, Merlí, espanhol, pura filosofia para um mundo moderno, porém se reportando sempre aos grandes filósofos da antiguidade, da Idade Média e do Século XX, sempre questionando e com as suas visões de mundo e, O Império Romano, que retrata com fidelidade o grande império que foi a Roma da antiguidade. Existem outros grandes filmes e seriados, mas vou ficar tão-somente nesses dois. Acredito que apesar de se ter toda a liberdade que hoje temos, o que não acredito venha a ser errado, mas nós que vivemos a nossa época, fomos uns privilegiados e foi através daquela época que o mundo veio a mudar e pudemos enfim, dar o nosso grito de liberdade, em face de uma sociedade castradora e opressora que existia antes dos movimentos dos anos de fins de cinquenta, sessenta e setenta. Só nós que vivemos essa época é que podemos falar com propriedade de sua importância, do que representou para nós e o do saudosismo tanto do modismo quanto das músicas inesquecíveis que nos colocam numa situação de lembranças memoráveis que não voltarão jamais e que nos fazem encharcar os olhos de lágrimas, porque nada mais voltará.

Paulo Cordel: - Sabemos que a fé, a religião, a crença num ser superior está presente em todas as raças do planeta. Você tem ou já teve alguma religião. Pra você, quem é DEUS?:

MANOEL MODESTO: - Eu nasci num mundo que foi colonizado por portugueses e a religião católica era e foi uma imposição, não uma opção. Então eu fui batizado na Igreja Católica Romana. Muitas vezes acompanhei minha mãe à Igreja, em missas, novenários e outros ritos dessa religião, porém nunca fui muito de ter uma crença ferrenha e inarredável, na forma como buscavam me incutir na mente a religião católica, praticamente de forma impositiva e isso, eu não gostava ou aceitava de muito bom grado. Não sei por que, ainda com tenra idade, falava em ser padre, talvez pelas conversas de meu pai, minha mãe e de vê o pomposo e galante padre no púlpito da igreja fazendo os seus sermões e os coroinhas aprefilados com suas vestimentas tomando as hóstias para se redimir dos pecados. Cheguei até de brincar rezando missas em minhas brincadeiras de criança, porém quando me dei por gente, fui vendo as dificuldades pelas quais a gente chegou a enfrentar, o sofrimento das pessoas, as guerras mundo afora matando pessoas inocentes, gente morrendo de fome em muitos continentes, aí fui ficando descrente de muita coisa e deixando de ver Deus como a Igreja Católica o fazia com que nós o víssemos, com um Céu, um Anjo da Guarda, um Paraíso a esperar os bons cristãos, e fui formando, sedimentando a minha ideia de que não era nada disso que buscaram incutir em minha mente e passei então a questionar, como ainda questiono, vários fatos, coisas e acontecimentos. Não vejo um Deus como as religiões, seja ela qual for, pregam, mas sim, acredito que tudo que existe em nossa volta foi fruto de uma Grande Força, um Poder além da compreensão humana, mas que algo bem maior do que nós existe ou existiu, disso não tenho a menor dúvida, só não sei explicar, como acredito que muitos que seguem uma vertente religiosa qualquer, da mesma forma acredita saber, porém afirmo ainda assim, que ninguém é capaz de nada saber ou quem diz saber alguma coisa, na verdade não sabe de absolutamente nada, porque tudo neste mundo e nesta vida é questionável. O que hoje é tido como certo, amanhã poderá não o ser e isso a própria história da humanidade nos tem demonstrado.
Paulo Cordel: - Professando ou não uma fé, você acha importante o ser humano se valer da fé para enfrentar as dificuldades que a vida nos apresenta?

MANOEL MODESTO: - Não menosprezo quem faz seu voto de fé para enfrentar e vencer determinadas dificuldades e turbulências pelas quais a gente passa na vida. Acredito ser até mais fácil para alguém de fé enfrentar muitas das mazelas e tempestades pelas quais passa na vida. Admiro muito o homem de fé, porém repugno com veemência, o fanático, porque acreditando ter fé, o que faz mesmo é ludibriar, enganar ao seu próximo, como vem ocorrendo em muitas igrejas que buscam não fazer uma doutrinação para se alcançar a fé, mas sim, para obtenção de resultados financeiros ou vantagens indevidas, com o que não concordo de forma alguma. Para mim isso não passa de crime contra a boa-fé de muitos inocentes que se prestam para esse tipo de coisa.

Paulo Cordel: - Me recordo que a escritora Rachel de Queiróz, em um documentário exibido na TV, confessou não ter fé. Disse ela que sofria muito por isso, pois quando enfrentava alguma intempérie da vida, não tinha a quem recorrer. Declarou ela que admirava uma tia que quando passava por situações difíceis, se ajoelhava diante de um altar, em seu quarto, acendia umas velinhas e rezava muito. Aquilo acalmava o seu coração. “Mas eu não tenho fé, e agora, depois de velha, não vou dizer que tenho só pra agradar as pessoas”, dizia Rachel, embora não exista ninguém com um coração tão bom feito o meu. Respeito todas as religiões, os padres, os pastores (etc). Espero que antes de morrer Deus coloque fé no meu coração.    
Comente sobre esse assunto.

MANOEL MODESTO: - Concordo plenamente sobre o texto da grande escritora cearense, Raquel de Queiroz. Na verdade, quem tem fé, indubitavelmente, tem mais facilidade de aceitação das dificuldades encontradas no decurso da vida, das tragédias que tanto acontecem neste nosso viver. Não discuto essa questão. A fé com toda certeza dá um poder maior de enfrentamento de tudo de ruim que nos vem como pedras rolando no caminho da gente, é como a formação de um escudo, porém a fé em muitos casos, não salva ninguém da morte e quiçá chegue a dirimir alguém quando está num leito derradeiro, esperando tão-somente a morte chegar ou mesmo até quando esta chega fora de hora ou de repente, porque em sendo a única certeza que se tem na vida, a fé não livra ninguém da morte, tampouco existe indicativo de que por se ter fé terá um futuro majestoso numa vida pós-morte, fator fenomênico que tenho lá muitas dúvidas e questionamentos.

Paulo Cordel: - Na sua visão, existe vida após a morte?.

MANOEL MODESTO: - Veja bem, camarada Paulo, a questão da vida, é como questionavam vários filósofos da Grécia Antiga, como Tales de Mileto, Anaximando de Mileto, Sócrates, Platão,  entre outros, em que indagavam e ainda se indaga: “de onde viemos, o que somos e para onde vamos?” - Na verdade a incógnita, por mais avançado que esteja este mundo cientificamente, ainda ninguém chegou a responder a essas importantes indagações filosóficas. Cada campo da filosofia, da ciência, ainda não chegou a nenhuma conclusão. As religiões buscam explicar a maneira de cada uma, porém não existe uma unicidade quanto a esse assunto ou alguma explicação convincente de que realmente existe vida após a morte. O catolicismo romano diz que existe, o lado evangélico da mesma forma, o judaísmo e o islamismo também, porém se existe vida ou não após a morte, não acredito muito que exista, mas também tenho muitos questionamentos e não tenho explicações, porque nunca tive uma provação para que pudesse vir a acreditar que existe vida depois da morte. Se a gente vem de uma partícula, o mais crível é que nessa mesma que nos deu origem, volveremos. É assim que vejo essa questão de vida e de morte, sem nenhum demérito para os que acreditam de forma diferente, com todo o meu respeito.

Paulo Cordel- Ainda sobre esse tema, conte-nos sobre a experiência de seu irmão Milvernes. O que você achou? 

MANOEL MODESTO: - O fato a que você se refere com relação ao meu irmão caçula, me deixou curioso, mas não sei se o que aconteceu com ele prova de que realmente venha a existir vida pós-morte. A questão que ocorreu com meu irmão foi a seguinte: Há alguns anos, numa festa junina de Arcoverde, onde ele mora, fazendo o seu exercício matinal de bicicleta na avenida São Cristovão, fora de pista de rolamento e reservada aos pedestres, veio a ser atropelado por um Fiat Uno de cor branca, por volta de quatro e meia para cinco horas da manhã, provavelmente por um condutor bêbado e outros colegas que estavam no mesmo veículo, perdeu o controle e abalroou de frente da bicicleta conduzida por meu irmão, jogando-o ao solo e deixando-o desmaiado, onde começou a se juntar um grupelho de pessoas à sua volta. Acontece que, segundo relatou, como ele depois desse passeio matutino de bicicleta, ele disse que viu as pessoas rodeadas à sua volta mesmo estando desfalecido e dali saiu, sem nada entender, e passou a percorrer o mesmo trajeto obrigacional que fazia todos os dias. Segundo ele, foi caminhando, entrou na padaria de meu irmão, Miltinho Modesto, deu bom dia a todo mundo, porém ninguém respondeu, entrou na parte de dentro da panificadora, pegou os pães para entrega que diariamente fazia, colocou no veículo os pães, se dirigiu até os pontos de entrega, dava bom dia a todos e ninguém respondia, fez o seu trajeto normalmente e, quando veio a acordar, estava internado no Hospital Regional Arcoverde, para onde foi socorrido e perguntou: “ôxe, onde é que estou? - Foi aí que percebeu que tinha sido atropelado por um veículo, sofrera um acidente de trânsito, e veio acordar no hospital, depois de ser socorrido e medicado. Foi uma experiência na vida dele que no espiritismo kardecista, se diz de quase-morte, porém acredito que tudo não passou de um sonho enquanto ele estava desacordado, porém em estando sua mente em pleno funcionamento e, como era de costume fazer o mesmo trajeto logo depois de seu passeio de bicicleta, tudo aquilo ficou gravado em seu subconsciente e assim mentalmente fez o mesmo trajeto que costumeiramente fazia todos os dias. É algo interessante, talvez um fenômeno provocado pelo seu subconsciente, mas no meu entender isso não prova de que na realidade existe vida pós-morte, porém há de se questionar, porque nada resta cientificamente comprovado, porém para o mundo espiritual, isso realmente foi uma experiência de quase-morte.

Paulo Cordel: - Mudando de assunto, você sempre foi uma pessoa politizada. Sempre participou da política local, inclusive fundou diversos partidos em Buíque, sendo  o presidente deles e até foi candidato a vereador uma vez. Fale um pouco sobre essa vertente.

MANOEL MODESTO: - Embora não tenha chegado a ocupar um cargo eletivo, que era meu sonho de participar e tentar mudar a mentalidade política de meus conterrâneos, porque a minha política nunca foi a do pragmatismo, de se tirar alguma vantagem, mas sim, de cunho ideológico e de idealismo, no sentido de se fazer uma política diferente, sem a prática nefasta da corrupção, tampouco da compra de votos para se eleger, que é o que sempre aconteceu aqui em Buíque, com raras exceções. Fui candidato sim. Tinha o sonho de ser prefeito, porém as barreiras são enormes e o povo pelo que percebi ao longo do tempo, pelo visto não quer alguém para dirigir os seus destinos que tenha uma visão de mundo diferente, que veja o bem público como algo a ser preservado como bem maior a favor dos mais fracos e oprimidos. Sei que tentei demonstrar isso durante toda minha vida, porém nesse campo acredito ter pregado no deserto. Fundei em 1988 o PSB em Buíque, quando era um partido considerado de esquerda radical (hoje não é mais) e ninguém daqui queria se comprometer com partido de esquerda, porém fundei o partido, legalizei, porém quando Miguel Arraes foi eleito governador quando voltou do exílio e pegou o PSB, quem estava no poder de mando à época e tinha votos, arrebatou o partido de minhas mães e fiquei simplesmente a ver navios. Mas não fiquei somente nisso. Depois fundei o PPS, que era o antigo PCB, de Roberto Freire (hoje grande decepção política), mas pretendia com isso encaminhar uma candidatura diferente, a de meu irmão Miltinho Modesto, porém mais uma vez fui atropelado pela política viciada dominante em nossa terra e mais uma vez, tivemos que dar novo rumo à nossa política, saímos do PPS e deixamos para os que nesse partido tinha interesses escusos, que chegou a eleger um vereador, Rômulo Camêlo com votos que foram trabalhados pelo partido, que congregamos à época quase trezentos filiados, mas nos quedamos para o outro lado. Depois refundei o PC do B, porém não participamos de eleição alguma; depois da mesma forma, refundei o PV, pensando ser um partido sério, porém foi outra grande decepção e por último, fundei o PEN, que atualmente é PATRIOTA, porém é só mais um penduricalho de mais um arremedo de partido político. Sou a favor da candidatura independente, mas acredito que isso não interessa aos políticos brasileiros. Deixei de acreditar nos partidos, porém o meu ideário político continua o mesmo e enquanto tivermos essa bipolarização sem sentido em Buíque, a gente não vai mudar nunca a mentalidade política de nossa gente, nem aqui, tampouco noutros lugares. Para mim, apesar de tudo isso, de ser decepcionado politicamente, não vou me esquivar da participação política, tampouco de fazer política, não a política pragmática, mas a política que sempre idealizei desde os meus tenros anos de idade e que me deu formação de visão de mundo humanista, que muita gente confunde ser esquerdista ou socialista, em ser comunista, o que na verdade são ideologias de vida as melhores possíveis, só que, jamais terão vez ou serão implantadas no mundo capitalista selvagem em que vivemos, porque ser socialista e comunista, é ser a favor dos menos favorecidos, então prefiro que me alcunhem com essa pecha, porque vou sempre me posicionar contra os gananciosos, ricos e poderosos ocasionais que veem um mundo que só é prestável quando é colocado aos seus interesses e deste possam tirar as riquezas que bem quiserem e entender sem a menor importância para quem está precisando de um emprego, um trabalho, um ganho qualquer ou de um naco de pão para alimentar a família. Minha visão de mundo não é o da ganância, mas sim, o de humanismo e de servir sem ser servido.

Paulo Cordel: - Em relação às eleições federais, você sempre se posicionou com idéias de esquerda. Na sua opinião, o que aconteceu com as eleições presidenciais de 2018, quando mais de 68% do eleitorado de São Paulo,70% dos eleitores do Rio de Janeiro, e 65%, de Minas Gerais, mais de 76% de Curitiba,votaram no candidato eleito. Esse eleitorado é fascista, coxinha ou golpista ou você concorda que quem venceu foi o antipetismo?

MANOEL MODESTO: - Na verdade, nas últimas eleições me posicionei politicamente naquilo que sempre fui e acreditei. Não poderia mudar porque defendo o ideal socialista, sou esquerdista mesmo com muito orgulho e não poderia defender alguém com um doutrinamento político extremamente fascista, que contraria inclusive os princípios bíblicos, que tanto pregam esse importante livro sagrado, como forma de doutrinamento de suas ovelhas. Quando a Bíblia diz “não matarás”, entre outros ensinamentos, a pregação que presenciei foi justamente o contrário, então jamais poderia compactuar com alguém que prega o que Hitler pregou na Alemanha para chegar ao Poder ou Mussolini na Itália, porque contraria os meus princípios de humanista de formação e esquerdista por convicção. A gente não muda nosso pensamento e ideário político como se muda de camisa. Nasci com meus ideias de vida e vou defendê-los até o último dormitar. Quanto a questão de o candidato em quem não votei ter alcançado todo esse índice de votação nesses estados, não significa em dizer que sejam mais politizados do que o Nordeste não senhor. Muito pelo contrário, a questão foi a satanização do PT e a demonização de Lula, que vinha sendo arquitetada, orquestrada desde 2014, justamente para juridicamente arrumarem uma brecha e apear Dilma do poder (que segundo Michel Temmer é uma mulher honesta), forjar um processo contra Lula, condená-lo e impedi-lo, como de fato impedido foi, de concorrer as últimas eleições, o que deu a vitória ao candidato vencedor que salvo melhor juízo, representa os interesses da extrema-direita, do capital internacional, dos militares e dos Estados Unidos. Basta olhar na formação de seu governo para perceber que na realidade o que houve, o ardil orquestrado, os meios midiáticos com informações falsas e distorcidas, tudo isso contribuiu para se formar toda essa negatividade contra o PT e Lula, principalmente por ele ser nordestino e vir lá de baixo e isso a classe rica, parte da média, média-média e média-alta, não perdoa e por tabela, como na questão dos fariseus, quanto à escolha entre Cristo e um ladrão, no tom de comando dos fariseus, o povão também escolheu o ladrão ao invés de um inocente. O estranho também em tudo isso,é o fato que, dos 22 ministros escolhidos (eram 15), 10 deles respondem ou a processos ou estão envolvidos em atos de corrupção. Pior também, para quem não ia se juntar a partidos limpos, o MDB é o que afinal de contas, com quem é aliado no momento? - Sem falar no descaramento de um genro de um delator, Levi, foi agraciado com a presidência do Banco do Brasil, e pior ainda, o juiz que condenou Lula, Sérgio Moro, vir a ser agraciado com um superministério. Será que algo de podre está não fedendo neste nosso reino da Dinamarca? - A política, a bem da verdade, será que mudou ou vai mudar de verdade? - Não acredito em quem pregou o que o eleito pregou, venha a ser um bom presidente, porque prega o segregacionismo, o divisionismo e o preconceito entre grupos de pessoas diferentes, o que é inadmissível em quem é eleito para ser governante de todos. Outra mais, é de bom alvitre lembrar que Estados do Sudeste e do Sul do país, são os que elegem os piores políticos do Brasil, salvo algumas poucas exceções. Veja o caso de São Paulo e do Rio de Janeiro. É cada político eleito que sinceramente, não servia nem sequer para um mero vereador de qualquer cidadezinha pequena de qualquer parte do país, ou será que estou enganado? - Sem falar que o povo vai muito pelo que a mídia joga no ar, no que ela diz ser verdade, quando se sabe que a maior parte do manejo midiático foi fruto de farsas, manipulações e mentiras, ou será que estou errado? - Acredito que o status quo dominante no momento, só não vê quem não quer ou busca sempre se justificar porque acompanhou e não quer dar o braço a torcer, mas que tudo isso está errado, não tenho a menor dúvida. Observem também, que depois do homem eleito, escândalos no próprio seio familiar deste estão aparecendo, porém nada está se fazendo e o que na realidade houve foi o que em francês de chama de “lawfare”, uma forma de vir denegrindo, distorcendo alguém, uma instituição, para no final, se dar um golpe jurídico e isso foi o que ocorreu na política brasileira. Houve milimetricamente uma orquestração ao longo desse tempo para gerar uma conspiração sob medida, demonizar os inimigos políticos colocando-os contra o povo e, num segundo momento, legitimado pelo mundo jurídico, chegar ao poder e o pior é o fato de que, quem compartilhou com to esse ardil está sendo recompensado de uma forma ou de outra, ou será que só eu estou vendo e observando tudo isso que vem ocorrendo?

Paulo Cordel: - Qual foi a sua maior alegria?

MANOEL MODESTO: - Tive algumas poucas alegrias na vida, mas as tive. A primeira foi o nascimento de meu primeiro filho, Hélder Modesto, no Hospital João XXII, em Recife, no ano de 1980; mais na frente, o lançamento de meu primeiro livro, MODESTO À PARTE, em 1988, em Pesqueira e outra mais, foi a minha colocação de grau em Direito e o momento de meu discurso como Orador de Minha Turma, em 1990. Foi algo emocionante e que só acontece uma vez na vida. Poderia ser nessa ordem, porém nem sempre é assim, mas a cada nascimento de um filho meu era motivo de alegria, valendo também para cada lançamento de cada um de meus livros. Nunca quis perder nenhum deles. Pela ordem natural da vida, queria que eles fizessem o meu velório embalado pela música Imagine, de John Lennon e me levassem até lugar onde está reservado para que venha a dormitar o último sono pela eternidade. Essa inversão da ordem da vida, só me trouxe dor e sofrimento.

Paulo Cordel: Excluindo Lula, que de fato é um grande líder político no Brasil, quem seria um bom presidente dos partidos de esquerda? Em poucas palavras o que você acha de Ciro Gomes, Marina Silva, Álvaro Dias. 

MANOEL MODESTO: - Sempre votei em Lula. Meu sonho era ter votado nele mais uma vez, porém em face de todos esses acontecimentos devidamente cronometrados, votei em quem ele apoiou, Fernando Haddad. Quanto aos demais, Ciro Gomes é um sujeito bem preparado, porém politicamente, ele se prestou a servir a todos os governantes, até mesmo ao regime militar. Não o considero um político de esquerda, porém um sujeito de pavio curto que diz em determinadas ocasiões, o que tem que ser dito, ou até mesmo o que não deveria dizer, porque Lula ofereceu a vaga de vice a ele, porém pelo seu egocentrismo, ele recusou, porque ele queria ser o indicado por Lula, mas em tendo um partido, o PT, como indicar outra pessoa fora da linha partidária? - Se ele tivesse sido o vice de Lula, ao ter a impugnação anunciada da candidatura de Lula confirmada, o que eu mesmo já esperava, com certeza ele teria se sagrado o titular da cabeça da chapa e Fernando Haddad, seu vice ou a própria Manuela D’Ávila, quem sabe. Se as pesquisas indicavam ser ele o único a derrotar o eleito, então ele poderia ser o nosso presidente no momento, porém o ego político dele, com o carrancismo coronelista que o alcunharam, falou mais alto e culpar Lula, o PT, não cola mais para ele, porque foi ele mesmo que não aceitou ser vice de Lula numa chapa previamente impossível de passar pela “lawfare” aplicado a Lula, que o considero preso político e refém do Estado Brasileiro. Marina perdeu a estatura de liderança para governar o país, a partir do momento em que apoiou Aécio Neves em 2014, ela mesma se diminuiu na política e resultado foi devastador, frente aos votos que obteve nas últimas eleições. Politicamente o seu enterro foi sacramentado nesta última eleição. Quanto ao Álvaro Dias, pelo seu temperamento, suas manias de sempre bradar alto e em bom tom de que é honesto, na verdade quando governador do Paraná se envolveu em falcatruas, não o vejo com a grandeza de um estadista, assim como o eleito, porque em política, nos bastidores, tudo é possível. No meu entender, um homem preparado para governar o Brasil no momento, que por hipocrisia do eleitorado paranaense, não o reelegeu senador, seria Roberto Requião, porque é um homem de uma grande postura de estadista e busca sempre transmitir uma palavra verdadeira e de confiança. É para mim um grande combatente da democracia e da liberdade.

Paulo Cordel: - Qual foi a sua maior tristeza?

MANOEL MODESTO: - A maior tristeza de toda minha existência, foi a perda de meu filho, Hémerson Modesto, de apenas 36 anos de idade, na flor da idade, que vou ter que carregar até os meus parcos últimos dias. Ele foi um grande, amoroso e honrado filho, sem nenhum demérito para os demais que ainda os tenho com todo o amor, carinho e devoção de minha vida.
Paulo Cordel:   Recentemente você e toda comunidade de Buíque foram surpreendidos com a morte prematura de um filho muito querido. Sabemos que um fato como esse provoca um verdadeiro “terremoto existencial e sentimental” na vida de um ser humano. Até porque o natural é o filho sepultar o pai sepultar e não o contrário. Como está lidando com essa perca, tão recente?

MANOEL MODESTO: - É com muita emoção, tristeza e dor no peito, que vou falar desse fato inesperado em minha vida. A gente perde pai, mãe, algum outro parente em linha reta ou colateral, a dor não é tanta, mas perder um filho é como se a gente perdesse um pedaço da gente. Tem sido muito duro lidar com esse fator fenomênico inesperado, que até o momento, apesar do pouco tempo, não sei bem o que houve, porque meu filho foi sempre alegre, brincalhão, prestativo, um verdadeiro colecionador de amizades, as fazia em todos os lugares por onde passou e para mim, está sendo muito duro conviver com tudo isso. Estou deveras buscando terra nos pés para poder suportar, mas a minha dor, minha tristeza, desta grande perda, a maior de toda a minha existência, é incomensurável, porém vou tentando me fortalecer com tudo de bom que ele foi,com a sua bela imagem jovial de filho exemplar, inteligente, intelectual, estudioso, prestativo, grande profissional que foi e partir assim sem aviso, é que se torna ainda mais difícil, porque a gente espera, pela ordem natural da vida, ser enterrados pelos nossos e não o contrário. A dor é demais a ponto de não me conter e vivo remoendo, tristonho e condoído por dentro e isso não vai mais parar até os últimos dias de minha vida. Sempre amei a todos os meus filhos e jamais esperava perder um filho nas circunstâncias em que perdi. Isso foi demais para mim. Passei por muitas turbulências em toda a minha vida, porém essa é a maior e que vai ficar para sempre, a que causou mais dor e torpor em meu ser, minha alma. É duro ter que suportar tudo isso em minha vida.

Paulo Cordel: - Em outubro de 2014, você, juntamente comigo e outros amigos apreciadores de literatura de da arte, fundamos em nossa cidade, a ABLA – Academia Buiquense de Letras e das Artes. Como se deu esse processo e o que significa para você esse acontecimento?

MANOEL MODESTO: - Desde tenra idade, que sempre tive um ideário em minha vida. Queria demonstrar o meu potencial, o que aprendi minhas experiências de vida, o que convivi e partilhar tudo isso com uma parcela de minha gente, de meu povo e foi pensando neste povo, que por alguma razão, nem sempre tem correspondido, que sempre estive focado em fazer algo de novo e diferente, quer na atuação política ou na verve cultural. Sou político porque nasci, e se nasci político sou pela própria natureza de ser. Então mesmo que o sujeito se posicione ao dizer que “não é político, é apolítico”, esse posicionamento por si só já demonstra que o sujeito é político sim, porque a sua posição social é política no seio da própria sociedade porque de alguma forma ele faz parte integrante e obrigatoriamente, de uma forma ou de outra, ele tem que participar e se participa, como não ser um ato político? - O fato de não ter ocupado nenhum mandato político como sonhava, não significa em dizer que não sou político, que não participo, muito pelo contrário, até meus últimos dias vou continuar participando de tudo, porque sou um ser social e em assim sendo, sou político por natureza. Fundar a ACADEMIA BUIQUENSE DE LETRAS E DAS ARTES - ABLA, instituição que só tem similar nessa região, em Pesqueira, foi um ato que já vinha em mente há muito tempo. De início, pensei em fundar uma Associação, mas depois me veio a ideia: por que não uma ACADEMIA DE LETRAS E DAS ARTES? - Foi aí que levei a ideia a você, meu camarada Paulo e juntamos outros amigos e no dia 23.10.2014, na Câmara Municipal de Vereadores, cheguei a fazer de um sonho uma realidade, e embora tenhamos enfrentado dificuldades para levar adiante e consolidar o que já existe de fato e de direito, temos nos deparado com sérios entraves com a falta de ajuda tanto da iniciativa privado quanto dos poderes públicos, mesmo assim, não vamos desistir. Vamos continuar e consolidar o que criamos para que no futuro nossos jovens levem adiante a cultura de nossa terra, como forma de aprimoramento de nosso conhecimento e de libertação de nosso povo, porque CULTURA É LIBERDFADE e povo sem cultura, não chega a lugar nenhum. Não vou e peço aos demais colegas, para não desistirem dessa luta e vamos consolidar de vez a nossa ACADEMIA, porque precisamos dar o melhor de nós para o nosso povo, sem nada receber em troca, porque é o que fazemos

Paulo Cordel: - A ABLA já fez diversos eventos culturais na feira livre, em alguns bairros de nossa cidade e no centro da cidade, levando poesia, música e cultura gratuita à população. Entretanto, no último ano (2018) fizemos pouco movimento. Esclareça à população os motivos dessa breve parada.

MANOEL MODESTO: - O pouco que fizemos até aqui, de certa forma foi valioso, motivo inclusive de despertar parte de algumas pessoas e de nossa juventude. Hoje a gente já pode ver muita gente interessada na arte, no cordel, na poesia, em escrever um livro, então de certa forma, mesmo a passos de cágados, o nosso trabalho não foi e não está sendo em vão. A semente foi plantada em 2014, está sendo regada, o plantel está crescendo, resta porém, que venha a dar os frutos que a gente espera e temos certeza que esses frutos surgirão e com certeza, ficará um herança para a posteridade de nossa terra. Em 2018, além de um ano político, mesmo assim, ainda fizemos alguns eventos dentro do PRJETO BALAIO DA CULTURA, de RECITAL LIVRE, no ANFITEATRO da praça Vigário, mas não pudemos fazer tudo que pretendíamos por falta de apoio tanto da parte do próprio povo, quanto pela falta de apoio com recursos da iniciativa privada ou pública. Então a gente fica praticamente engessado, demãos atadas quando fala de fazer alguma coisa voltada para a cultura e não vemos quase ninguém se sensibilizar. Até parece que cultura é uma praga de gafanhotos contra determinados interesses de um segmento social e de que muitos não entendem o significado e a importância de um povo com mais cultura, mais conhecimento e mais liberdade para voar e ganhar a sua própria vida. Mesmo assim, não vamos desistir. Estamos vendo junto ao poder público para tentar conseguir um prédio para montar a estrutura física da ACADEMIA e já lançamos uma AGENDA CULTURA para 2019, com o PROJETO CULTURA - UM GRITO DE LIBERDADE! - Vamos ver se conseguiremos o apoio do qual tanto necessitamos. Não queremos muito, apenas o suficiente, porque vamos fazer por amor, sem nada querer em troca. Pretendemos também, percorrer todas as escolas do município para divulgar nosso trabalho, a literatura e as artes de um modo geral, através de nossos próprios talentos. Só esperamos contar com o mínimo de apoio. Não queremos muito como já frisei. Apenas o mínimo para termos condições de levantar e consolidar de vez a nossa cultura e fazer de Buíque um Polo Cultural de nossa região, é esse nosso objetivo. Não somente a instituição ACADEMICISTA ganha com isso, mas o nosso Município será reconhecimento em nosso Estado, quiçá nacionalmente e no campo internacional. Ninguém duvide do que podemos e estamos dispostos a fazer em nome da CULTURA!

Paulo Cordel: - Em nossa vida os amigos são muito importantes, por nos auxiliarem nos momentos difíceis e dividir conosco os momentos de alegria. Quem são seus amigos? Diga o nome de pelo menos cinco.

MANOEL MODESTO: - Sei que tenho muitos amigos. Tenho também, não propriamente pessoas inimigas, porém que não simpatizam muito comigo, o que é comum nesta vida, isto porque não podemos agradar a todas as pessoas, ou como diz o dito popular, a “gregos e troianos”. Dos amigos não vou citar nomes porque posso desagradar alguns ou cometer injustiças, mas tive amigos que nunca os esqueço. Um deles foi na minha mocidade, Luis Cláudio de Barros e, um outro, que sempre o tenho em minhas lembranças, foi um colega do BANDEPE, Lucilo Melo de Almeida, afora tantos outros, mas como disse, prefiro não citar por temer cometer injustiças com uma parte deles, porém os únicos amigos de verdade que sempre estiveram e estão do meu lado sempre foram e são meus filhos e meus irmãos e irmãs. Quanto a inimigos, acredito não ter nenhum, pois como já disse, posso ter não-simpatizantes, menos inimigos figadais.

Paulo Cordel: - Nos idos dos anos setenta seu irmão Miltinho organizou aqui em Buíque o Bar Arizona, que foi um lugar muito frequentado pela sociedade buiquense, dado a organização, bom atendimento e um serviço de som da mais alta qualidade. Você inclusive pintou um quatro na parece central daquele comércio. De onde veio essa veia artística de pintor? Conte um pouco da história do Bar Arizona.
        
MANOEL MODESTO: - O Bar de Miltinho, como era mais conhecido, foi adquirido com as economias que ele fez em São Paulo, no duro trabalho de pedreiro na empreitada de obras particulares como o exímio profissional em que se tornou no manejo da colher de pedreiro com azulejos, pastilhas, cerâmica e mármore, materiais mais utilizados em acabamentos na construção civil na década de sessenta para setenta. A questão é que ele era contratado por particulares para fazer acabamentos em construções por metro quadrado e trabalhava em torno de dezesseis horas diárias. Com isso foi juntando algumas economias e chegando aqui, comprou um veículo rural, que chegou até a dar uma batida e, como esse bar que ficava no centro de Buíque era na época de propriedade de Mané Grilo, que não tinha lá muito jeito para o negócio, de pronto ele fez uma proposta e adquiriu o comércio. Como sempre foi muito jeitoso com as suas coisas, ajeitou o bar e logo começou a crescer o negócio, com a atração de uma fiel freguesia que sempre freqüentava àquele local de lazer. Pouco tempo depois dele ter vindo de São Paulo, eu vim depois e logo após o restante da família. Fui trabalhar com ele no bar e logo de início era àquele ocão sem forro, com o telhado aparecendo do tipo dessas construções mais antigas, foi quando tivemos a ideia de forrar com telhas Brasilit e, ficou muito aconchegante e chamativo o ambiente. Como estava em moda colocar cartazes grandes de artistas, atores de filmes, tive a iniciativa de enfeitar o nosso comércio com vários cartazes. Depois veio o nome do bar, que também foi dado por mim, de BAR ARIZONA e fiz a pintura em frente. Cheguei a pintar um grande painel dentro do bar de um casal hippie dentro de uma floresta, só que, não tenho sequer uma fotografia dessa minha obra de pintura. A questão de pintura veio desde cedo também, porque ao ser um leitor assíduo de gibis, passei a fazer desenhos de historinhas com àqueles balõezinhos com palavras e cheguei a me matricular no Instituto Universal Brasileiro, quando morava em São Paulo no Curso de Desenho Artístico e aprendi um pouco de desenho e algo sobre pintura, só que, com o passar do tempo fui deixando de lado a pintura e me dedicando mais à escrita e embora venha a fazer alguns rabiscos ainda nos dias atuais, não tenho a mesma habilidade de quando aprendi um pouco mais sobre pintura e desenho artístico. Essa de me matricular nesse Curso por correspondência que vinha pelos correios, do Instituto Universal Brasileiro, era porque quando adolescente me bateu uma tendência de fazer Belas Artes, não sei se por influência de uma Escola de Belas Artes de São Paulo, só sei que ainda pintei uma série de trabalhos, porém se esvaíram no espaço e no tempo. Só sei que o BAR ARIZONHA marcou época em Buíque e era o “point” daquele tempo em nossa cidade. Em épocas de festas não tinha sequer lugar para atender a freguesia, de tanto que era freqüentado, tanto pelos daqui de Buíque e região, quando por pessoas que vinham de fora. O Bar ficava localizado na Praça Major França onde hoje funciona uma padaria, vizinha a seu Sátiro. Foi muita emoção vivida no BAR ARIZONA. Para se ter uma ideia, a gente começava a fazer estoque de bebidas desde o início de cada ano para as festas de final de ano. Só de cerveja a gente fazia um estoque na parte dos fundos do bar, de umas cinco a seis mil garrafas e quando do período de festas de final de ano, não ficava uma sequer. Foi um período muito proveitoso para meu irmão e para mim também. Quando estudava o Curso Científico (Ensino Médio) no Carlos Rios, em Arcoverde, dormia no próprio bar, juntamente com José Arnaldo (Neguinho Arnaldo), que foi praticamente criado por nós e nos ajudava no dia à dia de labuta diária.
Paulo Cordel: - Você tem se consolidado um grande advogado na região. Está satisfeito com a profissão?.  Se não fosse advogado, que proferia escolheria hoje? 

MANOEL MODESTO: - Tenho orgulho de ser advogado. Na minha trajetória profissional sempre combati o bom combate, porém sinto uma ponta de decepção com a profissão nos dias atuais em face de muita concorrência desleal, da falta de ética, do desrespeito com a advocacia até mesmo entre os próprios colegas e embora tenha buscado sempre primar o meu caminho profissional dentro da lealdade, hombridade, ética, honradez, honestidade e respeito aos meus clientes e colegas, sempre busquei dar conta do meu recado. A decepção da profissão aparece quando a gente se depara com casos difíceis de resolver em que juízes, promotores de justiça e até mesmo parte de serventuários da Justiça (uma minoria), não estão nem aí para o seu esforço, o seu trabalho em defesa de uma causa, seja esta qual for. Tive muitos êxitos na minha vida profissional, muitas decepções, porém tenho consciência do dever cumprido naquilo que abracei com muito esmero e orgulho. Acaso o tempo volvesse, por tanto ver crescer a desonra, o desrespeito, o agigantamento de togados com poderes além de um Deus, não faria mais Direito, mas sim, medicina, porque minha luta seria para salvar vidas, se bem que, com a minha profissão, a caminhada foi lutar pela liberdade de quem injustamente teve o seu cerceamento de ir e vir, defender causas de quem mais precisasse e de ter lutado diante de uma Justiça tacanha, mesquinha e lenta, em que se percebe que em muitos casos só tem funcionado mais para os potentados, os ricos e com isso, enveredado por um caminho de se fazer grandes injustiças. Não quero com isso desanimar os que estão fazendo o curso de direito ou aos que imaginam fazer de forma alguma, apenas alertando para que, quem quiser fazer que o faça, mas com o objetivo de se for advogar, que busque sempre seguir as linhas mestras do direito em defender o bom combate, lutar contra as injustiças e sempre ter a bandeira levantada em favor da democracia de nosso país, caso contrário, melhor desistir, porque essa profissão não se amolda para covardes, fracos e vendilhões do templo.

Paulo Cordel:- Você é favorável ao ensino da ideologia de gênero nas escolas do país, principalmente com relação às crianças?

MANOEL MODESTO: - A questão de ideologia de gênero, coisa que foi motivo de debates acalorados nessa última política, inclusive levada de forma extremamente distorcida e buscando desnortear valores familiares, pelo que me consta não foi colocada em prática em nenhum momento. Tudo isso foi fruto de alguns políticos picaretas, maus-caracteres, alguns religiosos tendenciosos, que pregaram e pregam mentiras, para colherem resultados através de uma pregação distorcida que venha fazer de uma mentira a verdade e desta, a mentira. Foi desse jeito que aconteceu. O que se pretendia dentro do ideário de ensino do premiadíssimo pernambucano Professor Paulo Freire, que sempre quis uma escola aberta e questionadora, foi justamente tentar não fazer “bullyng” (ou bulir) nas escolas a quem tivesse um comportamento diferente, daí aproveitaram para inventar essa questão de “kit gay” nas escolas, fato que nunca chegou a ser colocado em prática, daí aproveitaram disso politicamente para distorcer o que apenas seria uma ideia de respeitar a todas as pessoas, independentemente de seu comportamento pessoal, porque ninguém nasce assim ou assado, mas o meio social, o que não vinha ao caso, poderá ser um fator decisivo para qualquer ser humano seguir o seu próprio caminho, seja ele qual for, porque essa questão de gay, de lesbianismo ou outro comportamento humano qualquer, existe desde que o mundo é mundo, ou seja, a partir do momento que o homo sapiens se deu conta de sua existência neste Planeta Terra. Usaram isso maldosamente e com isso influíram muita gente incauta, desinformada e abraçar uma mentira como verdadeira. Paulo Freire, na educação, é respeitado em várias partes do mundo e tem a sua metodologia de ensino implantada em vários países, sendo reconhecido e premiadíssimo mundialmente, inclusive pela ONU. As pessoas, independente de sua orientação social, religiosa e ideológica, deveriam buscar se esclarecer mais, antes de emitirem ou aceitarem uma opinião distorcida que tão escandalosamente os meios midiáticos tendenciosos jogam no ar com o fito de única e exclusivamente de enganarem pessoas de mentalidades fragilizadas, vulneráveis e sem o devido conhecimento de causa.

Paulo Cordel: - Analisando a sua vida, “entre os altos e baixos” que todos nós enfrentamos, você se sente realizado?.

MANOEL MODESTO: - Passei nesta vida por muitos momentos difíceis, porém o maior e que alcançou uma magnitude inimaginável, foi a perda de uma parte de mim. Isso foi algo indescritível e que nunca mais vai sair de toda a minha existência. Superar a tudo que na vida sofri, não vai acontecer. Fui uma pessoa esforçada na vida. Deparei-me com muitos obstáculos. Muitos os venci, outros não consegui, porém sei que ainda tenho muito para fazer, tendo ciência também, que não vou conseguir, por isso mesmo, sei que vou sem querer, mas de todo jeito sei que me vou, mas não cheguei a me realizar, porém sinto orgulho em deixar uma bela família, bons e honrados filhos, netos e netas, e sinto muito por ter tido a minha maior perda que já se foi antes de mim, sem sequer me avisar. Por tudo isso que passei não cheguei a me realizar por completo, o que acredito ser impossível para todos nós seres humanos pensantes convivendo com os nossos próprios demônios, incompreensões, infortúnios, decepções, desalentos e tantos males da vida, então acredito que para nós não existe ou jamais existirá um sentimento de realização. A gente tem plena certeza que vai para nunca mais voltar, porém só sinto pelo que não pude realizar.

Paulo Cordel: - Uma pergunta que deveria ter sido feita e não foi e sua resposta:

MANOEL MODESTO: - Acredito que a entrevista foi quase completa. Falei demais, talvez até disse o que não deveria, porém nunca fui de ficar calado. Dentro de minha inquietude do meu caminhar, nunca fui de ficar parado, sem pensar, no vazio, porém no momento estou num vazio infindo, ao ter perdido uma parte de mim, fato que vi acontecer com muitas outras pessoas, porém a gente nunca imagina que também pode acontecer com nós mesmos. Coisas da vida. Superar está sendo o maior desafio de minha vida e sei que não vou conseguir. Posso até suportar até o fim de meus dias, porém superar o que aconteceu, jamais. Outra coisa foi no campo do amor. Acredito que amei pouco, não sei se fui amado, porém o maior amor de minha vida foi a minha mãe, que foi a responsável primeira pelos meus cuidados, pela minha educação e por ter me protegido nos momentos mais cruciantes de minha vida, sem deixa de lado, claro, o meu pai, que na simplicidade de vida em que vivíamos nos procurou educar da melhor forma possível. Outro fato importante de minha vida, foi um ocorrido no ano de 1996, morando em Pesqueira, quando cheguei a ser sequestrado com minha segunda ex-mulher, por três marginais, em meu próprio carro e não me mataram porque ainda cheguei a tomar a única arma de posse dos três delinquentes e os coloquei para correr no meio do mato, na BR entre Pesqueira e Sanharó, próximo ao Campo de Aviação. Foi um Deus nos acuda, mas só sei que consegui sair dessa com vida. Não vou entrar em detalhes, por se tratar de uma longa história, mas esse foi um dos grandes fatos ocorridos em minha vida em que saí ileso, porém não houve nenhuma investigação da Polícia Civil para desvendar o caso, descobrir os responsáveis para virem a ser punidos pela Justiça. Ainda cheguei a investigar por conta própria e cheguei a descobrir algo sobre os responsáveis pelo meu seqüestro, porém deixei pra lá, resolvi não ir mais a fundo.

Paulo Cordel: - Uma mensagem final para os leitores.

MANOEL MODESTO: - Deixo para os jovens, que não desistam fácil de seus objetivos de vida. Não esmoreçam na primeira tropeçada. Busquem sempre o melhor para si, leiam muito, busquem aprender sempre mais, embora ninguém consiga aprender tudo, mas se desliguem mais desse mundo midiático internetário em que se divulgam muitas farsas, mentiras, invencionices e que colocam coisas indevidas na cabeça de muita gente, até mesmo dos adultos, que em se afastando dos livros físicos, estão buscando um caminho perigoso e errado para um maior e melhor preparo para a vida. Nunca troquem um livro por nada neste mundo, porque é através dos livros que cada um de nós pode fazer mentalmente a sua própria viagem como bem quiser e entender. Também nunca acreditem nos pregoeiros das farsas e das mentiras, lutem pela verdade e por aquilo que realmente acreditam ser o melhor caminho para cada um. Busquem sempre questionar a tudo, para poder tirarem as suas próprias conclusões sobre de “onde viemos, o que somos e para onde vamos”. É esta a minha mensagem dirigida a todos e todas.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

MINISTROS DO STF PASSARAM RECIBO DE QUE REALMENTE SÃO MAMULENGOS DE TEATRINHO DE FEIRA DE “MANGAIOS”, ESTA É A VERDADE



       Ora, pelo que sei e aprendi ao longo de minha vida de militância advocatícia, quem pode o mais, pode o menos e de que, decisão de uma autoridade de instância superior, mesmo em sede de liminar, deverá ser de imediata cumprida por quem estiver hierarquicamente em patamar mais baixo, apesar do poder decisório independente de cada magistrado, mas sempre respeitando o princípio do status quo da hierarquização jurídica existente no próprio organograma desse poder, que nem se sabe se jurisdicional para aplicabilidade da lei, ou não! - O que está se vendo, é muita hipocrisia junta num perigoso jogo de interesses contrariados neste Brasil ninguém sabe de quem, por tanto insegurança jurídica em se triturar, picotar. Aprendi ainda, que decisão judicial, por mais esdrúxula que seja, não se discute, se cumpre, o que não vem ocorrendo no Brasil.
      O que ocorreu ontem nesse capenga e tacanha judiciário brasileiro, foi uma grande vergonha, em que um Ministro-Presidente do STF, por pressão de forças ocultas, descumprindo a própria Lei Mater e o Regimento Interno de funcionalidade da própria Suprema Corte, em cassar uma medida liminar concedida pelo Ministro Marco Aurélio, no sentido de libertar todos os presos indevidamente reclusos indevidamente, por condenação em segunda instância, o que contrária a própria Constituição Federal e, logo depois de cinco horas, o Ministro-mor, para satisfazer vontades de plantão, diga-se de passagem, o generalato e o fascista que foi eleito, em que a única preocupação não era porque tal medida viria a beneficiar outros presos não, mas sim e especificamente, o ex-presidente Lula. Se não houvesse um Lula no meio do caminho, essa decisão iria para o Pleno do Colegiado da Suprema Corte, mas como Lula é a pedra mais importante no meio do caminho, um Ministro-Presidente capenga, Dias Torrolli, que foi nomeado pelo ex-presidente preso político, cassou ilegalmente a medida que o iria beneficiar, por considerar, o Ministro Marco Aurélio, que a medida guerreada numa ADin, sempre que externou sua opinião, sempre se disse que a prisão por confirmação de condenação a nível de segundo grau, era inconstitucional, como de fato é de verdade, então não estava ele, mais do que na obrigação de cumprir os ditames legais e no seu papel de guardião da constituição federal e da legalidade de seu cumprimento, bem como do leque legislativo existente, mas isso não aconteceu.
        À exemplo de outro HC em favor de Lula, num plantão de Favretto, Desembargador da Justiça Federal de Curitiba, ninguém cumpriu a decisão do Desembargador, nem juiz de primeira instância, nem delegado de plantão, que arrumaram uma desculpa de que tinham perdido a chave da cela de Lula e por aí se vai a palhaçada jurídica, que está mais para um teatrinho, daqueles de mamulengos em feira-livre de mangaios. Sinceramente, não dá para acreditar que estamos vivendo num país sério, muito menos de que isso aqui é um país chamado de Brasil. Que país, afinal é este, hein, minha gente?
      Quando as decisões do poder se invertem de cabeça para baixo, sobretudo num poder que deveria ter moral e nada disso tem, então já se pode dizer de verdade, que nada anda bem. Ou os generais aparecem de vez e dizem terminantemente de que quem mandam são eles, assumam o poder de vez, ou então deixem ver se essa pseudo democracia piadista que se implantou há trinta anos, tem chances de se consolidar de vez, ou então mandem tudo para o Inferno do Quengos, porque com essa insegurança jurídica cada vez mais gritante, se um juiz de uma comarcazinha qualquer não cumprir uma decisão de um desembargador, não há de que se reclamar, porque o precedente escancaradamente já foi dado em Curitiba e em Brasília, pelo STF, que na verdade, é tão-somente mais um Corte Suprema do faz-de-conta que não serve para porra nenhuma, muito menos como guardiã da Constituição Federal e da rigorosa aplicabilidade das leis deste país, porque quem está dando as cartas não são os 11 ministros em questões meramente jurídicas, mas sim, forças ocultas que estão por trás dos bastidores, que determinam que pau é pedra e de que pedra é pau. É isso que está acontecendo nesse país de bananas. Quanta vergonha acumulo em meu peito, deste país!

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

STF, CNJ, ENTRE OUTROS ÓRGÃOS JURISDIONAIS QUE SÓ SERVEM PARA SEUS PRÓPRIOS INTERESSES EM PRIMEIRO LUGAR, DEVERIAM SOFRER SEVERAS MODIFICAÇÕES OU ENTÃO SEREM EXTIRPADOS DO ORGANOGRAMA JURÍDICO DO PAÍS



     Imaginava eu que quando da criação de um órgão externo fiscalizador do Judiciário, a coisa iria melhorar. Pois bem, criado o Conselho Nacional de Justiça - CNJ, ficou parecido a conselhos criados em determinadas administrações públicas municipais, que não se prestam para nada. Assim tem se portado o nosso CNJ, que está mais olhando para o próprio umbigo corporativo do que para os interesses do país e de um Judiciário respeitável, o que não é o nosso caso.
     Essa nossa Justiça tacanha com seus julgamentos de faz-de-conta, em grande parte de julgados, não o são em virtude da lei, sobretudo da Constituição Federal de 1988, que está mais para uma prostituta vilipendiada e abandonada à sua própria sorte, do que propriamente o seu cumprimento e das próprias leis infraconstitucionais de nosso ordenamento jurídico, que está uma verdadeira casa de Noca, esta é a verdade, doa em quem doer a qualquer membro desse poder ou que por ele tenha simpatia.
    O STF, órgão-mor da pirâmide do organograma hierárquico funcional da Justiça, não se presta ao seu papel, além do poder de cargo ocupado, muitas vezes ilegitimamente de seus ministros nomeados pelo dono do poder ocasional da presidência da república, em que essa Corte Máxima, não desempenha o papel ao qual lhes incubiria, que era o de guardião da Constituição, do correto cumprimento da lei, porém está mais voltado em manter seus próprios privilégios e por isso mesmo, não tem a menor credibilidade, porque se dobra a forças ocultas por trás das cortinas do poder, não cumpre o seu papel constitucional, então para que a existência de um penduricalho jurídico que não está desempenhando como deveria o seu verdadeiro papel? - Só buscam mesmo, tanto STF, quando o CNJ, que imagina que novo rumo daria à Justiça Brasileira, porém só estão pensando mesmo nos seus próprios interesses acima de tudo e de seus pares, de forma ilegítima e corporativa, porque só tem mesmo nos envergonhado.
      Diante de circunstâncias tais, este país não vai mudar enquanto não se fizer uma revolução, uma guerra civil de cabo à rabo para mudar tudo que é podre e fede, inclusive essa política picareta deste país, que tende a ficar cada vez pior com o que vem pela frente. Como dizem os americanos, “meninos dos olhos” de quem vai assumir o governo a partir de primeiro de janeiro, que geralmente costumam aludir: “que Deus tenha piedade de nós”, no caso específico, de nosso (dos outros) Brasil!

domingo, 16 de dezembro de 2018

MEU QUINTO LIVRO - CATADOR DE ILUSÕES, LANÇAMENTO



        Nesta última sexta-feira, 14.12.2018, às 19h30, aconteceu na Biblioteca Graciliano Ramos, o lançamento de meu quinto livro, CATADOR DE ILUSÕES. Foi um evento memorável e carregado de emoção. Memorável porque apesar de ser um período de final de ano (mês de dezembro), geralmente acontece uma série de festas de formaturas nas escolas de nossa cidade e região, mesmo assim, o público presente me deixou estimulado para continuar nesse caminho da escrita e da literatura. Por isso mesmo, sinto-me na obrigação, não propriamente impositiva, de continuar, porque vou continuar fazendo o que mais gosto de fazer que é escrever e, não vou parar até os meus últimos anos de vida.
        A emoção ficou por conta da homenagem que fiz ao meu querido, amado e segundo filho, Hémerson Modesto, a quem dediquei esse lançamento, em face de tê-lo recentemente perdido e hoje ele certamente é uma estrela cintilante a brilhar numa constelação das mais brilhantes no firmamento. É assim que espero que ele esteja, pela grandiosidade de ser humano que demonstrou e foi, pelo seu brilhantismo enquanto ser humano, em sua curta passagem por esta vida. A emoção da dor esteve, como intermitentemente não para, em meu dilacerado coração e dentro da penumbra de minh’alma; emocionante também, pela presença dos demais filhos, Hélder Modesto, Delsinho Modesto, Patrícia Modesto e Miltinho Modesto Neto, meus netinhos e netinhas, além de meus irmãos Miltinho Modesto, Milvernes Modesto e Maria José Modesto Irmã (Nina), que me deixaram não propriamente alegre, porque não há nada que me faça voltar mais a ter alegria em que poucas foram as vezes que tive o privilégio de desfrutar, mesmo assim foi algo inesquecível em minha vida. Também não poderia registrar a presença de meus primos Emanuel Modesto, seu filho, Walvell Modesto, ex-prefeito Blésman Modesto, Manoel Modesto (Tião do Cartório), suas respectivas esposas, José Altamir Modesto (Mimiu), entre tantos outros familiares, além de um grande público para um dia em que na ocasião existiam várias outras festas de formatura em várias escolas do Município de Buíque e região, mesmo assim, repito, o evento foi além do esperado, o que só me faz agradecer a presença de todos e de todas. Não cito o nome de todas as pessoas, por impossível lembrar e acredito que o texto iria ficar muito extenso, mas levo de coração o agradecimento a cada um e cada uma dos presentes naquela ocasião de sexta-feira próxima passada.
        Agradeço ainda a colaboração dos escritores Leonardo Silva, Paulo Tarciso, Márcia Marina e dos queridos colegas de profissão, os advogados Drs. Pierre, atual presidente da OAB-Arcoverde, a vice-presidente eleita, Dra. Aléxia, aos amigos pessoais Dr. Rivaldo Leal, Dr. William Gusman e a Dra. Annynha, uma advogada jovem, porém muito brilhante e de grande sabedoria. Desculpem-me se esqueci de algum nome, falha de minha memória, mas que agradeço a presença de vocês caros e nobres amigos e amigas. Em especial, apesar de vários outros compromissos que um gestor público assume nesse período, devo agradecer ao Prefeito Arquimedes Valença, que não pode se fazer presente no início do evento, porém chegou por volta das dez horas da noite, mas sua presença foi uma prova de que valoriza o nosso trabalho cultural. Agradeço também aos blogueiros locais e de Arcoverde, que deram ampla cobertura ao evento, Leonardo Silva, Adauto Nilo, Paulo Cézar Cavalcanti, nosso PC e a Barmont. A todos vocês um forte abraço.
        Só posso dizer, que ainda marcado pela presença de público, que acredito ter sido maior do que nos lançamentos de meus quatro trabalhos literários anteriores, há de se perceber que o título desta minha quinta obra literária, é estimulante, induz a indagações, questionamentos, mistérios, busca de alguma coisa inimaginável na vida, porque na realidade em cada um de nós vai sempre existir uma CATADOR DE ILUSÕES. Adquiram a obra que tem 252 páginas e 66 textos em que busco abordar temas os mais variados possíveis, desde causos, crônicas e contos, em que traduzem o cotidiano da vida em suas vicissitudes, suas tragédias, os amores, os sonhos, a realidade e a tragicidade da morte, em que sempre buscamos numa grande interrogação, de onde viemos, o que somos e para onde vamos, será que o Catador de Ilusões vai dar a resposta? - Adquira e leia o livro que você vai se deleitar com uma boa leitura, disso posso garantir a cada um de vocês e, a partir de então, que tirem as suas próprias conclusões em cada viagem que fizer no mundo de imaginação que existe em cada um de nós.