QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

domingo, 28 de dezembro de 2014

NO ESPAÇO POEMANDO DE HOJE, ESCREVI UM POEMA EM QUE EXTERNO MINHA INSATISFAÇÃO QUANDO ME FOR DESTE MUNDO, POR NÃO IDO A PASÁRGADA, TAMPOUCO TER SIDO REI, NEM TER TIDO AS MULHERES QUE SONHEI.

ESPAÇO POEMANDO
QUANDO ME FOR DESTE MUNDO


Manoel Modesto

Quanto deste mundo partir
Satisfeito por completo não irei
Só serei obrigado a ir
Mas todos os sonhos não realizei.

Não fui lá em Pasárgada
Tampouco cheguei a ser rei
Nem num mundo imaginário
Tive as mulheres que sonhei.

Por isso mesmo é que digo
Satisfeito não vou não
Não fui da vida nem digno
De ter belas mulheres e um vidão.

Quando me for deste mundo
Vou carrancudo e tristonho
Como um pobre moribundo
Vou sozinho e sem sonho.

Vou sentindo por não ter ido
Ao mundo de Manuel Bandeira
Vou partir sem um sentido
Sem ser rei ou sem Pasárgada.

Mas nesta vida que se arrasta
Viver é uma passagem
Que tudo da gente se afasta
Como se estivéssemos numa miragem.

Mas a minha maior mágoa
Por não ter ido à Pasárgada
Reside lá na lagoa
De uma vida estagnada.

Mas não tendo viajado com Bandeira
Tive a grande honra ainda
De ter conhecido de uma maneira
Castor de Alagoinha.

Ele cantarolou para mim
A música do seu capim
Que terminava bem assim
Que o veado comeu um “pouquim”.

Mas isso já foi o bastante
Ter conhecido o Zé Castor
Alegria de um instante
De meu peito se apossou.

Mas lá no capim da lagoa
Que o Zé Castor bem cantou
Neste mundo que entoa
Em ir deste mundo nada mudou.

Quando deste me for para outra
Satisfeito não vou não
Porque não estive em Pasárgada
Meu reinado do Sertão.

Vou muito decepcionado
Sem coroa sem reinado
De Pasárgada destronado
Sem ter tido as mulheres, que nesta vida sonhei.

Por isso não vou satisfeito
Não tem mais quem me dê jeito
Se esse for meu defeito
Que me levem direto pro leito.

Mas de uma coisa podem crer
Vou dá vida sem querer
Sei que lá vou muito sofrer
Porque não tive as mulheres do meu querer.

Nenhum comentário: