QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

sábado, 10 de janeiro de 2015

A MATÉRIA DE HOJE, FAZ UM ALERTA AO POVO DE BUÍQUE, PARA DAR O SEU GRITO DE INDEPENDÊNCIA, FALAR O QUE SABE E TEM CONHECIMENTO, NÃO SE OMITIR, NÃO VENDER SEU VOTO E VOTAR EM HOMENS E MULHRES QUE SAIBAM CONDUZIR UM MUNICÍPIO SEM ROUBAR NEM DEIXAR ROUBAR.

BUÍQUE INDEPENDENTE


     Sei que a peleja é por demais difícil, mas não impossível, de que um dia nosso querido Município de Buíque, venha realmente a se tornar independente de verdade. Não é mais possível o povo continuar da maneira como vem sendo conduzido, de forma a não vir tendo a menor atenção dos poderes constituídos, que a cada quatro anos, ou de forma fraudulenta, com votos comprados ou na base do troca-troca de favores, o que se constituiu em crime eleitoral, só que, até os dias atuais ninguém viu quem quer que seja punido nessa modalidade de conduta típica criminosa, porque tanto é corrupto quem compra o voto, quanto quem da mesma forma, o vende. O que se denomina juridicamente de corrupto ativo (quem compra) e corrupto passivo (quem vende). A dificuldade está justamente em se flagrar quem está vendendo e quem está comprando, mas a bem da verdade, não se descobre por leniência da autoridade policial e da própria Justiça Eleitoral, que sabe de tudo, inclusive das prestações de contas de algaroba de gastos de campanha, mas basta ver o vulto de campanha de cada vereador, prefeito e o escambau, para perceber que o voto de cada um desses coadjuvantes da política, isso porque, o povo é quem é o protagonista de todo esse processo, não está sendo nada gratuito, em comparação com a vultosa exteriorização de uma campanha política que esbanja riqueza. Na última campanha de deputado, teve um candidato da região, que não tinha um tostão furado no bolso, mas até telão luminoso e outdoors caríssimos se viam espalhados por todo o Estado, então como não perceber que não foi uma campanha riquíssima e que não condiz de jeito nenhum com a declaração de gastos de campanha na prestação de contas, que na verdade não passa mesmo de uma peça de ficção e eu, como muitos que já participaram de um processo de uma eleição partidária, sabem muito bem que isso realmente acontece na babas da Justiça Eleitoral, que faz-de-conta que tudo está dentro da legalidade formal.
    Na verdade minha gente, o que cada povo deve fazer e principalmente o nosso, é buscar não se iludir por alguma indevida vantagem oferecida para o futuro, com promessas vãs, em compra de seu voto, muito menos mercanciar como se numa feira de mangaios estivesse, por qualquer ninharia, de alguns sacos de cimentos, algumas centenas de tijolos, de telhas, botijões de gás, dinheiro, ou qualquer outra moeda de troca, porque no final de contas, quem vai pagar caro é cada um dos eleitores e por tabela também, quem não mercanciou o seu voto. Então minha gente, quando a gente percebe nas discussões que corriqueiramente está aparecendo na internet, nas redes sociais, isso só vem provar, que o nosso povo buiquense não está completamente dormindo em berço esplêndido, porque esse se foi a partir do momento em que você fez de seu voto um instrumento de barganha, de negociata e por isso mesmo, temos os políticos que estão aí, todos eles pensando primeiro em seus próprios umbigos que nos verdadeiros interesses de nosso povo. A questão é simples, como disse Mateus, “primeiro os meus, depois os teus”, só que, no caso de uma administração pública, não existe essa de primeiro os meus, porque em primeiro, segundo e terceiros lugares, está o bem-estar de nosso povo, de nossa gente. Essa de gestor público e de uma camarilha de vereadores só visarem primeira o poder e deste só buscarem em primeiro lugar usufruir de tudo que podem, de forma indevida, tem que acabar em nosso município, mesmo que seja prática corrente em outros. Para nós buiquenses, o que interessa é o nosso Buíque, quanto aos demais, o povo que faça o seu próprio destino e se peitem contra os mesmos desmandos que enfrentamos por aqui.
        Não é porque há pilhagem do dinheiro público em todas as esferas do poder público, tanto lá de cima, quanto aqui em baixo, que isso deve se tornar uma regra para Buíque não senhor! – Buíque deve buscar votar em homens e mulheres, que sejam capazes de não roubaram, nem deixarem roubar do dinheiro público. Basta a gente fazer uma análise simplista sobre o montante de verbas que vem para Buíque com o que tem sido feito, para como dois mais dois são quatro, saber que tudo está sendo conduzido errado e de forma desonesta. Não é possível o povo perceber e disso todo mundo sabe e tem conhecimento, pessoas que participam da máquina pública, esnobando com seus suntuosos carrões, com mansões que quem trabalha honestamente a vida inteira não é capaz de possuir uma, chácaras pomposas para farras e festanças, casas comerciais até mesmo com filiais noutros lugares, fazendas lá nas cucuias dos judas, mesmo em nomes de laranjas ou de serviçais, e fazendo o que bem entendem, será que isso num município em que as coisas são encaradas com seriedade, é normal? – Não minha gente, isso não é e nunca foi normal. O Buíque que conheci em algum certo tempo, era bem diferente do atualmente está sendo conduzido. Ainda existia um pouco de respeito ao povo, apesar da política na base do chumbo grosso, mas fazer o que bem se entendesse como vem se fazendo há alguns anos, isso é coisa abominável e estarrecedora e que não dá para aguentar, muito menos continuar com essa sorte de coisas. Quando a gente entra na política, não é para desta se servir, mas sim, para usando desta, do ponto de vista como uma ciência social, servir ao povo no sentido de melhoria de todos os níveis de vida, o que não está ocorrendo em Buíque, ou será que estou falando de chorumelas? – Clamo a todos para que possamos dar de vez o nosso grito de independência, afinal de contas, político tem que dá satisfação sim ao povo que o colocou no poder, pois nessa condição, ele ou quem fizer parte, é empregado do povo, pois recebe proventos do dinheiro que vem para servir cada uma das populações.

Nenhum comentário: