QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

domingo, 15 de fevereiro de 2015

NO ESPAÇO POEMANDO DE HOJE, PUBLIQUEI UMA POESIA QUE FALA DO MEU DESCONTENTAMENTO COM O REGIME MILITAR, ESCRITO EM 1977 E PUBLICADO NO LIVRO MODESTO À PARTE, EM 1988.

ESPAÇO POEMANDO

IDA SEM VOLTA

Quando
Se idealiza
A ida,
Logo se pensa,
Na volta...
Amor e suspiros, Esperam!?
Ficam
Veem
Saudades.
Da ida
De ira
Sem volta;
Irreversível ida,
Nas crinas
À vil morte,
Como ave de rapina,
Degola.

Errantes,
Pulmões ofegantes
No evasivo tempo
Vagamos...
Rumamos
Ao nada.

Aqui,
Acolá,
Titubeantes:
Cogitamos,
Entremeio,
Entrechoques,
Repressões,
E uma ida
De uma vida
Que extermina
Em fim crucial
Ao jugo descomunal
De ideologias
Que já não são ideais.

Ao negrume
Dos cubículos,
A escuridão
Devasta...
E mata!
Sorrateiramente
Vidas mil
De errantes vozes,
Que ouvidas
Foram silenciadas.

E nada,
Se faz;
Voltamos
Atrás;
Ficamos
No mesmo
Com medo
De continuar?!...

E assim:
Calados,
Cantando,
Chegamos
Ao amor,
Rutilante
De noite
De luar...

NOTA: Poema escrito em 11.11.1977 com relação à ditadura militar, com a qual nunca concordei, mas de forma cifrada, em poema, escrevi o meu repúdio, numa época, que mesmo diante do negrume dos cubículos, a gente tinha que continuar, buscar o brilhar da luz, apesar de tantos virem a ser calados com à morte, mas um dia o amor tinha que prevalecer, apesar deles, que não demonstravam a menor piedade para quem se aventurava a lutar contra a dominação militar. Foi isso em síntese, que quis demonstrar nesse poema, publicado em meu primeiro livro, MODESTO À PARTE, em 1988, pág. 114.

Nenhum comentário: