SLIDE POSTAGENS

QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

A PRÓPRIA SOCIEDADE É A PRINCIPAL RESPONSÁVEL EM PARTE, PELO AUMENTO DA DELINQUÊNCIA E DE DELINQUENTES EM SEU PRÓPRIO MEIO


   Posso falar do assunto, por que já vivo nessa peleja em minha militância advocatícia por mais de duas décadas e meia e tenho visto muitas coisas durante todo esse tempo, e que à medida que a gente ainda está no batente, continua vendo as mesmas barbáries de sempre.
  Pude perceber que quando o agente criminoso é contumaz, digamos assim, profissional no mundo do crime, é um caso irremediável. Não tem mais jeito. Solução? Não mais se vislumbra quando se chega a tanto. O final de tudo, é morrer numa prisão, ser vítima do próprio caminho que buscou trilhar, se não por outros do mesmo naipe, pela própria autoridade policial, ou a pretexto de se matar mais um bandido, ou possivelmente numa troca de tiros, mas quando se chega a um determinado patamar e se pós-gradua na bandidagem, não existe mais volta. É o verdadeiro mundo da escuridão profunda, de onde quem entra de corpo e alma não volta mais.
  Existem também, pude observar durante todo esse tempo, que praticantes de condutas antijurídicas de menor potencial ofensivo, podem até se recuperar e alguns chegam mesmo a se recuperar e se reinserirem na sociedade, mas a repulsa, a discriminação, o preconceito em cima de quem já pegou pelo menos uma cadeia qualquer, é muito grande, o que dificulta sobremaneira a recuperação do pequeno delinquente e a sua reinserção no meio da sociedade, que nunca vê um ex-presidiário com bons olhos. Então diante de uma sociedade que nunca esteve preparada para dar uma segunda chance e das carências de cada ser humano para a sua própria sobrevivência, muitos voltam, senão a grande maioria, ao mundo do crime e terminam por se tornarem graduados no mundo da criminalidade e da delinquência, alguns porque são incorrigíveis mesmos, outros em face de não encontrarem outra opção por falta de oportunidade e terminam por enveredar pelo mesmo caminho que pretendia ou um dia na vida imaginou em se desviar, em abandonar.
  Ora, não sejamos hipócritas a ponto de dizer que a sociedade não tem a sua parcela de responsabilidade, porque tem, isto porque todo ser humano é fruto desse ajuntamento de pessoas que se denominou de sociedade. O poder público também tem a sua grande parcela de responsabilidade, por que não vê na recuperação, na ressocialização, uma saída para o delinquente de menor potencial ofensivo, mas à medida que alguém vai sendo preso uma vez, duas vezes e assim sucessivamente, o próprio órgão gestor e educador do cidadão delinquente, o vai transformando de menor grau da escola da bandidagem, até vir a se graduar e pós-graduar no mundo do crime, até que se chegue a um ponto em que ninguém tem mais volta.
   Existem leis, mecanismos, mas na prática, nada funciona neste país. Temos um sistema prisional que é um verdadeiro caos, medieval, onde na maioria dos casos, a lei é letra morte e por isso mesmo, na verdade não passa de fábriquetas de bandidos e de delinquentes cada vez mais periculosos e assim, os pequenos delitos vão se transformando em grandes façanhas no mundo da criminalidade. A gente tem visto uma Justiça, que ora a balança pende para um lado, ora para outro, ninguém sabe à razão, mas que de justa, ela em muitos casos, nada tem. Diuturnamente, só à título exemplificativo, se pode perceber, que pequenos usuários de drogas, a exemplo de um maconheiro qualquer, quando preso com doze papelotes de maconha, chega a pegar mais de dez anos de cadeia, enquanto grandes traficantes da baixada fluminense, quando presos com uma tonelada da cannabis sativa, com menos de trinta dias é solto, o que nos faz duvidar da imparcialidade da Justiça em muitos de suas decisões e de seus julgados, por que em muitos julgadores, já existe uma predisposição em fazer um pré-julgamento antecipado, antes mesmo da instrução processual, da conclusão criminológica na formação da culpabilidade, que dificilmente se escapa das duras e frias letras da lei, já noutros casos, se toma caminhos diferente. Nesse mister, temos uma Justiça que em muitos casos tem agido com dois pesos e duas medidas. Infelizmente é assim que acontece no mundo real das coisas. Se temos bandidos em demasia, é porque temos uma sociedade hipócrita, um organismo judiciário e prisional, fomenta o fabrico de sempre mais delinquentes de todos os naipes em nosso país, esta é a mais pura realidade com a qual nos deparamos.

Nenhum comentário: