SLIDE POSTAGENS

QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

QUE DIABOS VEM A SER NASDAQ?



     Geralmente nos noticiários televisivos, nos jornais escritos e nos meios de comunicações internetárias, se tem ouvido e visto falar da Bolsa Nasdaq, em que houve uma queda nas ações no mercado financeiro e por isso mesmo, vem uma queda na moeda em que o dólar domina, ou seja, na maior parte do mundo, e isso é uma realidade negativa para esse modelo de economia globalizada em que tudo fica praticamente concentrado, as riquezas em papéis de transações financeiras, ou nessa segunda maior Bolsa de Valores ou na Bolsa de Valores de Nova Iorque.
    Na verdade, a denominação correta é NASDAQ Stock Market ou simplesmente NASDAQ (acrônimo de National Association of Securities Dealers Automated Quotations; em português, "Associação Nacional de Corretores de Títulos de Cotações Automáticas") é um mercado de ações automatizado norte-americano, onde estão listadas mais de 2800 ações de diferentes empresas, em sua maioria de pequena e média capitalização. É o segundo maior mercado de ações em capitalização de mercado do mundo, depois da Bolsa de Nova York. A plataforma de operações é de propriedade do NASDAQ OMX Group, que também é o proprietário da rede de mercados de ações OMX.
O NASDAQ caracteriza-se por reunir empresas de alta tecnologia em eletrônica, informática, telecomunicações, biotecnologia, etc. Por aí já dá para se perceber o poderio de manobra e de dominação no mundo capitalista, dos principais nichos da economia mundial, que hoje estão praticamente centrados no mundo globalizado da informática. Só a título exemplificativo, a Google, uma das maiores dessa área, engloba informações em suas nuvens internetárias, que se acaso eles se fechassem para o mundo, geraria um pânico em todas as áreas da economia mundial, porque o caminho de toda e qualquer transação comercial em qualquer parte do mundo, é feita através de meios digitais informatizados e não há como fugir dessa praga dominadora e aprisionadora que chega a atingir em cheio, os mais pobres e necessitados, mas que numa pane geral, a minoria rica, também seria afetada.
Uma das coisas no mundo da economia é essa atrelação obrigatória ao mundo globalizado do que eles dizem ser de livre mercado. Bem, para quem está no comando, que dos oitos bilhões de habitantes do Planeta, apenas 1% domina e concentra as riquezas mundiais, então na verdade os países que ainda não atingiram uma nivelação das grandes economias de primeiro mundo, só tem mesmo a sofrer as consequências de intermitentes crises em suas economias internas, como as que vem ocorrendo atualmente no Brasil, que praticamente oscila em função da alta ou baixa do dólar americano, o que nos faz refém de economias alienígenas, que nada dizem respeito aos interesses internos de nosso país, muito menos ao nosso povo, mas que vem afetando nocivamente a vida de cada cidadão brasileiro.
O que não dá para entender e economista por mais que busque se justificar ou explicar na linguagem do economês, é o fato de que, em sendo o Brasil auto-suficiente na produção de petróleo, como justifica o alto preço dos combustíveis! Pior é que, com a crise que deveria ter sido anunciada ou que todos poderiam prever com a malandragem política, as ações da empresa estão concentradas nessas fortíssimas bolsas de valores e nada impede que a Petrobrás venha a ser de uma hora para outra, desnacionalizada, vez que, vulnerável, é uma presa fácil nesse mundo de voracidade por acumular e concentrar sempre mais capital nas mãos de poucos e, o que se acredita não ter havido ainda, em face de lei monopolizadora do petróleo, senão a coisa já teria ido para o brejo.No modo como flutua a nossa economia, só está de bem mesmo, quem tem para exportar, porque sai em dólar e entra em reais com a cotação lá em baixo, em face do dólar. Agora há de se perguntar: se existem países no mundo que suas economias funcionam independentemente da oscilação da moeda americana, por qual razão a gente não consegue a mesma coisa, hem? Com a grandeza de nosso país, de tamanho continental, por qual razão não temos uma economia livre e que nos faça funcionar sem que estejamos vinculados obrigatoriamente à economia mundial? Bem, o que dá para se acreditar, é o fator comprometimento e as ligações promíscuas existentes entre a economia nacional com a internacional globalizada, sem a qual, não poderá de forma alguma haver equilíbrio se lá fora o bicho está pegando, daí vir a pegar a gente também, o que vem a ser demonstrado através da atual crise pela qual estamos passando. Outra questão é o fato de que, ainda somos muito dependentes de tecnologias de fora de nosso país, apesar de termos muito avançado nesse setor e que mais se poderia muito fazer se os próprios brasileiros buscassem cuidar primeiro de seus próprios interesses em favor de nossa população mais carente.

Nenhum comentário: