SLIDE POSTAGENS

QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

INSÔNIAS DA VIDA



          Insônia foi um dos livros mais lidos de Graciliano Ramos. Não vou dizer que o li, pois não cheguei a ler esse livro, mas tão-logo possa, vou ler. Acredito que o escritor alagoano de Quebrangulo que aprendeu as primeiras letras em Buíque, no final do Século XIX para início do XX, viveu com os seus demônios interiores próprios de muitos de nós, seres humanos e por isso mesmo, da inspiração para escrever essa famosa obra literária, que ele denominou de Insônia. Sua vasta obra é rica no trato com a nossa língua e já foi traduzida para mais de 80 (oitenta) países em todo o mundo. É um escritor universal e grandioso em nosso país, apesar de pouco conhecido pela juventude, que deveria ter um pouco mais de interesse e ler a sua obra, composta por 13 (treze) livros.
      Lembrei desse livro de Graciliano Ramos, por ter escolhido o tema de hoje, das tantas insônias pelas quais somos acometidos na vida. Não somente minha própria pessoa, mas grande parte de outras, também sofrem do mesmo mal. É ruim a gente ter, vez por outra, crises de insônia, não significa em dizer, que estejamos com a consciência pesada, mas quando existe qualquer coisa, principalmente para nós que temos a devida responsabilidade, a nos perturbar, já é motivo suficiente para passarmos senão a noite toda, mas pelo menos parte desta, indormida, o que é completamente nocivo para o nosso cotidiano da vida. No geral quando passamos por uma noite assim, parece que o tempo para, não passa, os minutos não andam e os segundos permanecem como o gotejar de água pingo à pingo. É como um atordoamento intermitente a nos perturbar a mente e a alma.
       Não é coisa boa a gente passar por noites seguidas de insônia. O positivo disso, acredito, é a sensibilidade que qualquer espécie de problema, que às vezes não chega à tanto, e é passível de solução, a gente colocar na mente e ficar martelando e aí é que com a ideia fixa em mente, os olhos não chegam a fechar, as pálpebras não pesam para que a sonolência venha e então, venhamos a descansar, para, num outro dia, amanhecermos preparados para o enfrentamento de um novo dia.
       Eu mesmo, como tive um infarto que fez aniversário este mês, 8 anos, em Maceió, vivo tranquilo ou não, a depender das circunstâncias de cada momento de minha vida. Costumo me preocupar com muito pouco. No cumprimento de minhas responsabilidades e obrigações, com algumas pendências inerentes da vida, que tenho que a resolver ou por algum ato falho que porventura possa ter cometido, isso me deixa aturdido à ponto de entrar num estresse medonho, às vezes até em depressão, mas com o passar dos dias tudo passa e a normalidade volta a prevalecer, mas nunca vivo cem por cento tranquilo, até porque a gente vive de uma profissão extremamente estressante, entediante, sob pressão e convivendo com muita deslealdade entre nossos pares e isso, faz com que nos deixe estressados com tanta gente que não tem o devido discernimento para respeitar o próximo. Na condição de político também, isso é uma atividade muito estressante também, em que sempre permanecemos em sinal de alerta, apesar de aparentarmos calmaria, sempre estamos num mar de turbulência, mas no final de contas, tudo, de uma forma ou de outra, vem a se resolver, quer profissionalmente, na vida privada de cada um e na vida do militante político, que sofre por não ver a prática de uma política séria em nosso país e isto, no meu caso particular, me deixa estressado, até mesmo com a situação política de nosso país, que está dominado por uma horda de ladrões e isto me dói, me aflige, por não ter o alcance de poder fazer alguma coisa mais ampla, para mudar esse quadro dantesco a que chegamos em nossa política nacional. Quanto à local, vamos lutar para que o lado no qual estamos dando apoio, chegue a vencer, bem como, o modo de conduzir a coisa pública, é isso que mais almejo e por isso vou sempre lutar e isso, de certa forma, me deixa dolente por não poder mudar o que imagino mudar, mesmo que seja um pouco, mas gostaria muito de ser um desses partícipes da mudança que tanto almejamos.

Nenhum comentário: