SLIDE POSTAGENS

QUEM REALMENTE SOU

Minha foto
BUÍQUE, NORDESTE/PERNAMBUCO, Brazil
A VERDADE SEMPRE FOI UMA CONSTANTE EM MINHA VIDA.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

É DIFÍCIL ENTENDER O PORQUÊ DE GESTORES PÚBLICOS, ENTREGAREM A QUEM OS SUCEDE, PRINCIPALMENTE QUANDO SE É DERROTADO, O MUNICÍPIO EM ORDEM.


       Isso é um fato em que acontece praticamente na maioria dos municípios brasileiros, quando antecessores ocupantes de cargos públicos eletivos, se deparam na iminência, de ter que entregarem a municipalidade que antes governavam, a sucessores de oposição, que os derrotou no pleito eleitoral que antecedeu ao processo político. Isso não é um fato tão-somente de determinado lugar isolado, não senhor!, mas praticamente da maioria absoluta dos municípios e, práticas dessa natureza, só nos faz volver à Idade Média ou a época do coronelismo, que muitos ainda insistem em manter em suas personalidades, mesmo que em aparências diversas, mas que, não passam de "coronéizinhos" engravatados.
    Ora, nosso município não fica de fora, porque foi entregue praticamente em estado de calamidade pública, a sua administração, em que os mais simples objetos, atos e fatos determinados, foram dolosa e criminalmente, omitidos, escondidos ou não se sabe lá o que foi feito, a ponto de se apagarem até mesmo os arquivos de computadores, no sentido de dificultar ainda mais, a gestão que teve início em primeiro de janeiro do ano novo e veja, que só se está no poder, há pouco mais de dez dias. 
     Diante desse estado de caos e de terra arrasada, se teve que emitir de imediato, por decreto, uma declaração de calamidade pública, em face da situação em que foi encontrada as condições de funcionalidade do município, para ter o devido seguimento, vez que, na administração pública, o que impera como preceito da legalidade, é a continuidade administrativa, que não pode parar, mas sim, ter a regular sequência os seus serviços prestados à população, que não pode pagar pelos erros e desacertos de quem buscou gerir a res publicae fora dos padrões regidos pelos princípios constitucionais e legais, que são o império de toda e qualquer esfera de uma administração pública, sem os quais, o órgão, a municipalidade paralisa, gerando assim, consequências penosas para a sua população, principalmente a mais sofrida e carente.
     A questão é o fato de que, muito gestor, encara a coisa pública, como um brinquedo, como se fora um menino que não teve infância e, por isso mesmo, busca fazer de uma prefeitura, por exemplo, como um objeto de brincadeira, quando na verdade, em se tratando daquilo que é público, a coisa deve ser tratada com a seriedade e responsabilidade que bem merecem e isso, em Buíque, nesses últimos anos, foi deixado para trás, sem o menor pudor, razão pela qual, o município se encontra no estado em que foi transmitido, ou melhor, sequer alguém apareceu para entregar simbolicamente, as chaves da sede administrativa da nossa municipalidade (o prédio da PMB), fato nunca ocorrido na história política de Buíque, apesar de todas as diferenças e mágoas que possam persistir.
     Pior é que, no escancarado descumprimento de preceito legal, como última forma de se sair bem na "selfie", até mesmo os concursados, buscou nomear e dar posse, no apagar das luzes de um pífio governo, a todos de uma só vez, isso como motivo de justamente buscar atrapalhar a nova gestão, no sentido de forçar a se tomar medidas que não gostaria de tomar, mas que, por imperativo legal, saída outra não se teria, razão pela qual, da anulação desse ato irresponsável através de decreto, porém não invalidando o concurso, mas sim, buscando dar uma solução dentro do império da lei e como manda o edital do concurso, na conformidade das necessidades do município e dentro do período de vigência do certame público. Na verdade não é intenção do chefe da edilidade buiquense, em prejudicar quem quer que seja, apenas ajustar os fatos, à legalidade formal e material, apesar dessa medida de caráter irresponsável e prejudicial, tanto ao ente público, quanto aos que passaram no concurso público.
    Então gente, essa visão pequena, medíocre, de quem nunca soube ou chegou a aprender, o que é, ou era uma administração pública e, sempre trocou as mãos pelos pés, é coisa que no mundo atual, não mais existe, sobretudo quando numa democracia, quem é derrotado numa eleição, tem que aceitar os fatos da consequência da derrota, porque o povo, principal ator desse processo, não pode, nem deve, vir a ser prejudicado de forma alguma, mas que, muitas dificuldades estão sendo encontradas, porém para tudo vai haver uma solução, menos dias, ou em mais dias.

Nenhum comentário: